terça-feira, 16 de outubro de 2018

PF cumpre mandados contra tráfico de drogas e lavagem de dinheiro no RN



A Polícia Federal deflagrou nesta terça-feira (16) uma operação de combate ao tráfico de drogas e lavagem de dinheiro no Rio Grande do Norte. A ação, que foi denominada 'Narco Trucks', contou com o apoio de policiais militares do Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE). Ao todo, 15 pessoas foram presas.

Segundo a PF, foram cumpridos 20 mandados judiciais de busca e apreensão e 13 de prisão preventiva, além de duas pessaos presas em flagrante, e mais o cumprimento de medidas de sequestro de bens e bloqueios de contas dos suspeitos.

Os mandados foram cumpridos nas cidades de Natal, São José de Mipibu, Tibau do Sul, Parnamirim, Macaíba, Brejinho e Baía Formosa.

As investigações tiveram início em 2017, e levaram a Polícia Federal a apreender, em abril deste ano, aproximadamente 30 quilos de cocaína na zona rural de Macaíba, na Grande Natal. Na ocasião, os agentes também encontraram rascunhos e documentos da contabilidade de traficantes detidos em flagrante.

As investigações apontam que o principal alvo preso na operação seria chefe de um grupo criminoso com atuação no Paço da Pátria, e apontado como fornecedor de drogas da facção Sindicato do Crime do RN.

Durante o cumprimento dos mandados, a PF também prendeu um investigado acusado de tráfico que fornecia drogas para Natal e outros municípios, como São José do Mipibu, Brejinho e Tibau do Sul, além de ser um dos principais abastecedores de cocaína da praia de Pipa, no Litoral Sul Potiguar.

Os presos estão sendo indiciados e vão responder pelos crimes de tráfico de entorpecentes, lavagem de capitais e organização criminosa, cujas penas máximas, somadas, podem alcançar até 33 anos de reclusão.

UFRN realiza campanha de doação de sangue



A comunidade em geral é convidada a participar da campanha de doação de sangue promovida pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) nesta quinta-feira (18), em parceria com o Hemonorte. A unidade móvel estará em frente à Biblioteca Central Zila Mamede (BCZM), no Campus Central, em Natal, com atendimento das 8h às 11h e das 13h às 17h. A iniciativa faz parte do Mês do Servidor 2018, que neste ano aborda o slogan “Eu pelo mundo”.

Os doadores devem preencher os seguintes requisitos:
Ter entre 16 e 69 anos de idade
Pesar acima de 50 quilos
Ter dormido pelo menos seis horas na noite anterior à doação
Estar bem alimentados e em boas condições de saúde

É necessário ainda apresentar documento com foto emitido por órgão oficial e com validade em todo o território nacional.

Solicita-se não ingerir bebidas alcoólicas nas 12 horas anteriores, evitar o consumo de alimentos gordurosos, assim como não fumar duas horas antes e depois da doação.

Mês do Servidor
Além da doação de sangue, a UFRN promoverá no dia 23 deste mês a campanha de doação de cabelos e lenços, que serão destinados a mulheres em tratamento de câncer. A ação será voltada à comunidade em geral e acontecerá no Centro de Convivência da UFRN, das 8h às 16h, em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac) e o Serviço Social do Comércio (Sesc).

Para participar, é necessário ter cabelo cujo comprimento permita a retirada de pelo menos 20 centímetros, que esteja de preferência seco e limpo. Quem não preencher esse requisito poderá contribuir com lenços.

O Mês do Servidor 2018 conta ainda com seminários, palestras, workshops, oficinas, entre outros eventos em Natal e nos demais campi.

Neste ano, o evento aborda as temáticas do protagonismo do servidor nos 60 anos da UFRN e a Agenda 2030 e Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Para acessar a programação completa, clique AQUI.

Setor de serviços avança 1,2% e tem melhor agosto desde 2011, aponta IBGE



O volume de serviços prestados no Brasil cresceu 1,2% em agosto na comparação com o julho, segundo pesquisa de desempenho do setor divulgada nesta terça-feira (16) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Trata-se do melhor resultado para o mês nesta base de comparação desde 2011, quando tem inicio a série histórica do levantamento.

Na comparação com o mesmo mês do ano passado, houve alta de 1,6%, a terceira taxa positiva do ano nesse tipo de confronto.

No acumulado no ano, o setor permanece no vermelho, com queda de 0,5%. No acumulado em 12 meses, foi mantida a trajetória de recuperação gradual, ao passar para uma queda de 0,6%, a taxa negativa menos intensa desde junho de 2015 (-0,2%). O resultado de julho foi revisado de uma queda de 2,2% para um recuo de 2%.

Desempenho por setores
O principal impacto positivo no mês partiu do segmento de transportes, que cresceu 3,2% e recuperou parte da perda de 3,9% de julho. Segundo Lobo, o que explica esse crescimento dos transportes é a queda do preço das passagens aéreas neste mês de agosto.

Os demais resultados positivos vieram dos serviços profissionais, administrativos e complementares e outros serviços. Por outro lado, houve queda no volume dos serviços de informação e comunicação e nos prestados às famílias.

Resultados por atividades:
Transportes, armazenagem e correio: 3,2%
Serviços de informação e comunicação: -0,6%
Serviços profissionais e administrativos: 2,2%
Outros serviços: 1%
Serviços prestados às famílias: -0,8%

No acumulado no ano, 56,6% dos 166 tipos de serviços acompanhados pela pesquisa seguem no vermelho. Entre as atividades, os serviços de informação e comunicação (-1,7%) e os profissionais, administrativos e complementares (-2,0%) exerceram as principais pressões negativas. O outro setor que também recuou foi o de serviços prestados às famílias (-0,9%). Por outro lado, os segmentos de transportes e de outros serviços registraram avanço de 1,3% e 2,3%, respectivamente.

Horário de verão começa no 1º dia do Enem 2018



Neste ano, o início do horário de verão coincide com o primeiro dia do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem): o domingo de 4 de novembro. A decisão foi divulgada na noite de segunda-feira (15) pelo governo federal, depois do anúncio de que o horário de verão seria adiado por duas semanas para evitar confusões com os candidatos do Enem 2018.

Isso quer dizer que, à meia-noite de sábado (3) para o domingo (4), os moradores de dez estados e do Distrito Federal deverão adiantar o relógio em uma hora. Assim, os moradores dos demais estados do Brasil ficarão uma hora a menos em relação ao fuso horário anterior.

No total, o país terá quatro fusos horários diferentes, mas o horário de fechamento dos portões para o início da prova do Enem acontecerá na mesma hora, seguindo o horário de Brasília: 13h. Quem se confundir com o horário local e chegar atrasado perderá o exame.
Veja abaixo os detalhes sobre o horário de verão deste ano e os horários locais de fechamento dos portões do Enem em cada estado:

Quais estados precisam adiantar o relógio no dia 4?
Segundo o decreto, dez estados, além do Distrito Federal, precisarão adiantar o relógio em uma hora.

Região Sul: Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná
Região Sudeste: São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais
Região Centro-Oeste: Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e no Distrito Federal
Como o horário local em Mato Grosso e Mato Grosso do Sul atualmente já está uma hora atrás de Brasília, essa diferença continua igual. Isso quer dizer que o fechamento dos portões nesses dois estados acontece às 12h do horário local.

segunda-feira, 15 de outubro de 2018

Parabéns aos professores pelo seu dia



Em 2017, de 1,2 milhão de universitários considerados "concluintes", ou seja, no último ano da graduação, 10,5% estavam matriculados em pedagogia, segundo o Censo da Educação Superior de 2017, divulgado pelo Inep. A carreira, que forma professores do ensino infantil, teve mais de 125 mil estudantes em vias de pegarem o diploma de ensino superior no ano passado.



Imposto de Renda 2018: Receita paga 5º lote de restituições nesta segunda



A Secretaria da Receita Federal paga nesta segunda-feira (15) as restituições referentes ao quinto lote do Imposto de Renda de Pessoas Físicas de 2018. Este lote também inclui restituições residuais de 2008 a 2017. As consultas foram liberadas no último dia 5.

Ao todo, serão pagos R$ 3,3 bilhões para 2.532.716 contribuintes. Desse valor total, R$ 3,157 bilhões referem-se ao quinto lote do IR de 2018, que contemplará 2.459.482 contribuintes.

Do valor total de restituições, a Receita Federal informou que R$ 171 milhões referem-se aos contribuintes idosos, com mais de 60 anos, ou com alguma deficiência física, mental ou moléstia grave, além daqueles cuja maior de renda seja o magistério.

Depois dos idosos, contribuintes com deficiência física, mental, moléstia grave ou cuja principal fonte de renda seja o magistério, que têm prioridade no recebimento das restituições, recebem os contribuintes que enviaram a declaração no início do prazo, sem erros, omissões ou inconsistências, se tiverem direito a ela.

A Receita Federal recebeu 29.269.987 declarações do Imposto de Renda dentro do prazo legal neste ano, número acima da expectativa inicial de receber 28,8 milhões de declarações em 2018.

Malha fina
A Receita Federal informou que está notificando, por meio de cartas, cerca de 383 mil contribuintes que caíram na malha fina do 2018, para cobrar débitos no valor de R$ 300 milhões.

Nos últimos anos, a omissão de rendimentos foi o principal motivo para cair na malha fina, seguido por inconsistências na declaração de despesas médicas.

Para saber se está na malha fina, os contribuintes podem acessar o "extrato" do Imposto de Renda no site da Receita Federal no chamado e-CAC (Centro Virtual de Atendimento).
Para acessar o extrato do IR é necessário utilizar o código de acesso gerado na própria página da Receita Federal, ou certificado digital emitido por autoridade habilitada.

Após verificar quais inconsistências foram encontradas pela Receita Federal na declaração do Imposto de Renda, o contribuinte pode enviar uma declaração retificadora. Quando a situação for resolvida, o contribuinte sai da malha fina e, caso tenha direito, a restituição será incluída nos lotes residuais do Imposto de Renda.

domingo, 14 de outubro de 2018

Escola no meio do sertão do RN forma apicultores e transforma região



No sertão de Pau dos Ferros, no Grande do Norte, divisa com o Ceará, uma escola profissionalizante virou marco na paisagem e símbolo de esperança. Lá é ministrado o primeiro – e único – curso de apicultura de um instituto federal do país.

A estrutura é de fazer inveja a muita escola de elite mundo afora. Grande parte da eletricidade que consome é gerada lá mesmo, captando luz solar nos telhados. O Instituto Federal Rio Grande do Norte (IFRN) tem ainda ar condicionado e aparelhagem completa de data show, com telão e controle remoto para os professores, em todas as salas.

As turmas fazem Ensino Médio completo, incluindo aulas de língua estrangeira. Classes de música também estão na grade de ensino. Mas os estudantes não recebem apenas a educação padrão, aprendem junto uma profissão. Além do curso de apicultura, eles podem escolher o curso de tecnologia de alimentos e de informática.

Dos 1 mil alunos do instituto, 250 cursam apicultura. A seleção é concorrida e, do total de vagas, 50% são reservadas para alunos de escolas públicas.

Segundo a diretora Antonia Francimar da Silva, de cada dez alunos, sete vêm de classes mais populares.

É o caso do João Victor Pires da Silva, filho de agricultores, que acorda às 4h30 e viaja 60 quilômetros todos os dias, de moto e ônibus, para chegar à escola. Também é o caso de José Kelvin de Araújo Silva, filho de um conhecido tapioqueiro da região, José Zildomar Silva, chamado de Zé Tapioca.

A instituição provoca na região uma transformação parecida com a que acontece quando chove na caatinga, quando a vida explode e fica tudo verdinho. Com educação de excelência, a juventude floresce e a cidadania frutifica.

Apicultura do campo à indústria
O curso de apicultura vai na vida real das profissões, para que o aluno já possa, se for o caso, ter um ganha pão longo que conclui o Ensino Médio. Por isso, as aulas práticas são intensas.

Em dos experimentos práticos, por exemplo, os estudantes desenvolvem estruturas que simulam ninhos para que os apicultores possam criar as abelhas solitárias, sem ferrão e que não formam enxames, que polinizam com mais eficiência algumas culturas e também têm papel importante na preservação da vegetação nativa da região. Já foram coletadas no instituto cerca de 300 dessas abelhas, de 15 espécies diferentes.

Além de técnicas de produção, propriamente, o curso oferece também uma formação mais científica sobre os chamados aspectos físico-químicos dos derivados da abelha, com muita pesquisa de laboratório. É que só uma análise técnica pode indicar a qualidade do mel.

"Por que ter aulas com todo esse conhecimento de análise? Porque enquanto técnicos eles podem prestar consultoria aos produtores, para já dividir e classificar (o mel)", diz a química e professora do instituto Luciene de Mesquita Carvalho.

Poderão também prestar consultoria para solucionar um desafio que, na caatinga, é maior que em outras regiões do país, a falta de pasto apícola causada pelos longos períodos de estiagem.

Nas classes, os alunos aprendem a produzir o chamado "bife das colmeias". Trata-se de uma pasta feita de albumina, uma proteína presente no ovo, da qual os insetos passam a se alimentar quando não encontram mais néctar nem pólen na vegetação ao redor.

Diferentes tipos de alimentação artificial para as abelhas vêm sendo testadas em laboratório há três anos pelo professor do instituto e biólogo Antonio Abreu.

Formação que abre mercado
A educação integrada com formação profissional atraiu novas empresas, novos negócios, novos empregos na região de Paus dos Ferros.

Em um sítio em Marcelino Vieira, os produtores vivem um momento histórico. Fazia seis anos que a caatinga, o semiárido do Alto Oeste do Rio Grande do Norte não via chuva. Com ela, a agricultura voltou e a apicultura também.

Eles acabaram de realizar a primeira safra de mel deste ano: cerca de 10 toneladas, um resultado até bom diante do baque que os enxames sofreram com a longa estiagem.

Dois fatores contribuíram para a reviravolta que estão dando, além do clima: o conhecimento prático do seu Antonio Medeiros, o pioneiro que 30 anos atrás começou a montar apiários na região e, sobretudo, a contribuição do curso do curso que o apicultor Euzir de Queiroz fez. Ele se formou na primeira turma de apicultura do IF, em 2015, e aprimorou várias técnicas para manter e fortalecer os enxames na época que não tem florada.

"Antes eu era criador e com o curso eu adquiri o conhecimento teórico. E hoje vejo isso como fundamental para o crescimento dos meus enxames", avalia Euzir.

E o dinheiro do mel ficou importante na região. "Com ele é que a gente mantém a criação de gado, que compra a ração dos animais, para quem tira leite especialmente. Ele é importante demais para a gente”, diz Antonio.

Educação que amplia horizontes
Mas nem todos os alunos do instituto pretendem abraçar a profissão aprendida ali. Segundo a diretora, pela qualidade do ensino, muita gente procura o curso profissionalizante como plataforma para a universidade.

O José Kelvin, por exemplo, quer ser psicólogo. Há mais de 50 alunos que saíram do IF para fazer medicina e mais de cem fazendo engenharia.

"A qualidade do ensino que é ofertado aqui é que proporciona isso. Ele (o estudante) pode até não ser o apicultor (...) mas ele vira um engenheiro agrônomo, um engenheiro de produção, um médico, um enfermeiro, um advogado".

Porém, boa parte da turma de apicultura sonha em trabalhar com as abelhas, como João Victor.

"Antes de entrar no curso de apicultura, eu não me via como apicultor, eu não sabia, na verdade, a definição de apicultura. Hoje eu posso afirmar que sou apaixonado pela apicultura."

G1

Usinas de canas-de-açúcar antecipam fim da moagem



A cana seca e miúda é a imagem de uma safra que sofreu os efeitos do clima. Com isso, muitas usinas tiveram menos matéria-prima para processar. A longa estiagem que atingiu os canaviais reduziu a previsão de safra.

Em uma usina de Catanduva (SP), o período de moagem vai terminar um mês antes do previsto. O diretor de operações Luís Marcelo Spadotto diz que o impacto na produtividade foi grande e que vai interferir na safra do ano que vem.

O Nosso Campo visitou também uma usina no município de Novo Horizonte (SP). O volume de moagem deve ser 5% menor que o da safra do ano passado, o que significa 290 mil toneladas de redução. Com isso, a linha de produção também deve parar antes do previsto.

Um levantamento da Única (União das Indústrias de Cana-de-açúcar) mostrou que 20% das usinas do Centro-Sul do país vão antecipar o fim da safra. Se por um lado a produção será menor, a seca deixou a cana mais doce.

No acumulado da safra, o índice de ATR (quantidade de açúcar da planta) totalizou 138,22 kg por tonelada, um aumento de 4,77% em relação ao ciclo passado.

O excesso de açúcar no mercado internacional e a desvalorização do preço do produto fizeram a safra ser mais alcooleira. Até o início de setembro, a quantidade fabricada de açúcar totalizou 18,84 milhões de toneladas. Recuo de quase 20% em relação ao mesmo período de 2017. Já a produção de etanol acumula alta de 33,51%, alcançando 20 bilhões de litros.

G1

Conab prevê safra recorde em 2018/19, com soja e milho liderando



O plantio mal começou, na maior parte do país. Mas, pela estimativa da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a produção de grãos na próxima safra deve variar entre 233 e 238 milhões de toneladas.

Isso representa um aumento de até 10 milhões de toneladas de grãos. E um crescimento entre 2,5% e 4,7% em relação a 2017/18, a segunda maior da história.

Os números da Conab ainda são preliminares. Mas, se esta previsão se confirmar, a nova safra poderá ser recorde, superando a produção de 2016/17, quando o país colheu 237 milhões de toneladas.

Os produtores estão animados. Tanto que a área total de grãos no país deve aumentar em até 2,3%, alcançando 63 milhões de hectares.

As vendas de adubos cresceram 5%, para o maior número dos últimos anos. Isso demonstra intenção de plantio.

Pela previsão da Conab, a soja continua como a principal cultura. A produção pode passar de 119 milhões de toneladas.

O milho vem depois, com mais de 91 milhões de toneladas. E o clima deve ajudar, pelo menos, neste período de plantio.

Concurso: 7 órgãos abrem inscrições na segunda para quase 16 mil vagas



Pelo menos 7 órgãos abrem as inscrições nesta segunda-feira (15) para quase 16 mil vagas em cargos de todos os níveis de escolaridade.

O maior concurso é o da Secretaria de Educação do Paraná com 15,5 mil vagas. Os salários chegam a R$ 26.125,15 na Defensoria Pública do Maranhão.

Veja abaixo detalhes dos concursos:
Câmara Municipal de Tatuí (SP)
Inscrições: até 13/11/2018
7 vagas
Salários de até R$ 3.180,48
Cargos de nível fundamental, médio e superior
Defensoria Pública do Maranhão
Inscrições: até 05/11/2018
8 vagas
Salários de até R$ 26.125,15
Cargos de nível superior
Prefeitura de Guarani (MG)
Inscrições: até 15/11/2018
57 vagas
Salários de até R$ 7.478,22
Cargos de nível fundamental, médio e superior
Secretaria da Fazenda do Rio Grande do Sul
Inscrições: até 13/11/2018
50 vagas
Salários de até R$ 20.463,50
Cargos de nível superior
Tribunal de Justiça de São Paulo
Inscrições: até 13/11/2018
34 vagas
Salários de até R$ 8.723,57
Cargos de nível superior
Prefeitura de São Paulo
Inscrições: até 12/11/2018
168 vagas
Salários de até R$ 7.032,90
Cargos de nível superior
Secretaria de Educação do Paraná
Inscrições: até 25/10/2018
15,5 mil vagas
Salários de até R$ 1.523,83
Cargos de nível fundamental, médio e superior