sexta-feira, 21 de janeiro de 2022

Natal é sétimo destino mais em alta no mundo, segundo pesquisa


O Travellers’ Choice Awards é um prêmio que reúne os lugares que receberam as melhores avaliações por parte dos usuários do Tripadvisor, site de viagens que fornece informações e opiniões de conteúdos relacionados ao turismo. Natal apareceu com destaque na edição deste ano, como o sétimo destino em alta. A capital do Rio Grande do Norte foi a única cidade brasileira entre as dez mais procuradas, segundo a pesquisa.

A categoria de destinos em alta, que deu classificação à Cidade do Sol, é para os locais que apresentaram o maior aumento em uma combinação de avaliações positivas de viajantes da plataforma e classificações de acomodações, restaurantes e atrações para visitar.

Os 10 destinos mais em alta, segundo o levantamento do Tripadvisor, são as cidades de Maiorca (Espanha), Cairo (Egito), Rodes (Grécia), Tulum (México), Dubrovnik (Croácia), Ibiza (Espanha), Natal (Brasil), Arusha (Tanzânia), Göreme (Turquia) e Santorini (Grécia).

UFRN abre cadastro para ações inovadoras no ramo da indústria


A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) abre inscrições para o cadastro de atividades de pesquisa, desenvolvimento e inovação voltadas a soluções de problemas no âmbito da Indústria 4.0. A ação acontece em parceria com o Parque Científico e Tecnológico Augusto Severo (PAX). São aceitos projetos que estejam em qualquer um dos espectros de estágio, bem como todo espectro de maturidade tecnológica da solução, desde invenção disponível para Licenciamento ou Transferência de Tecnologia à Pesquisa Básica e Ideação. 

O FIN Ind. 4.0 acontece no dia 16 de fevereiro, às 14h, em formato on-line e tem o objetivo de conectar os agentes econômicos da tríplice hélice (governos, empresas e universidades) com esforços voltados a soluções do paradigma tecnoeconômico 4.0, que possam impulsionar as indústrias, o comércio e os serviços. 

As informações serão oferecidas pelos pesquisadores com projetos voltados para Transformação Digital, Novos Materiais e áreas correlatas até o dia 31 de janeiro. Os estudos terão espaço privilegiado de visibilidade durante o I Fórum de Inovação e Negócios em Indústria 4.0 (FIN Ind. 4.0). As inscrições devem ser feitas por meio de um formulário criado pela universidade. 

As atividades contam com meetups entre pesquisadores e empresários, através das Salas de Soluções. Adicionalmente, ocorre a publicação de um portfólio das iniciativas acadêmicas com significativo potencial inovativo, em formato de e-book, com ISBN. Além de promover conexões, o FIN Ind. 4.0 objetiva mapear os grupos das mais diversificadas áreas atuantes no tema para produzir um portfólio de projetos potencialmente inovadores. 

A difusão de conhecimento do FIN Ind. 4.0 deve contribuir para o estabelecimento de parcerias com empresas do setor em diversos temas, entre os quais destacam-se soluções 4.0 para a promoção e o impulsionamento das atividades de comércio e de serviços, da indústria de transformação e de extrativismo, mirando os setores terciário, secundário e primário. Na ação, o PAX conta com o apoio da Agência de Inovação (Agir) e das pró-reitorias de Pesquisa (Propesq), de Extensão (Proex) e de Pós-Graduação (PPG).

Custo da pandemia de Covid-19 deve ultrapassar estimativa de US$ 12,5 trilhões, diz FMI


O Fundo Monetário Internacional (FMI) espera aumentar sua previsão para o custo da pandemia de Covid-19 à economia global, atualmente em US$ 12,5 trilhões até 2024, disse a diretora-gerente do Fundo, Kristalina Georgieva, nesta quinta-feira (20).

Georgieva afirmou, em um evento organizado pelo Financial Times, que interrupções na cadeia de abastecimento, inflação e políticas monetárias mais apertadas estavam "jogando água fria na recuperação em todos os lugares".

Ela disse que enormes divergências entre as taxas de vacinação contra a Covid-19 e a crescente desigualdade geral entre ricos e pobres causada pela pandemia, bem como as perdas de aprendizado e aumento dos impactos de gênero, causarão mais protestos, tensões e insegurança.

INSS: Contribuição muda em fevereiro: saiba quanto você vai pagar


O valor das contribuições dos trabalhadores ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) vai mudar a partir de fevereiro. Com o reajuste do teto dos benefícios, de R$ 6.433,57 para R$ 7.087,22, foram atualizadas também as faixas de contribuição dos empregados com carteira assinada, domésticos e trabalhadores avulsos.

Com o reajuste de 10,16% pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), quem ganha menos vai contribuir menos para o INSS, e quem ganha mais, vai contribuir mais.

Esses novos valores deverão ser recolhidos apenas em fevereiro, pois são relativos aos salários de janeiro. Os recolhimentos relativos aos salários de dezembro de 2021 e efetuados em janeiro deste ano ainda seguem a tabela anterior.

LEIA TAMBÉM:

Salário mínimo em 2022: veja o valor nacional e nos estados

INSS: veja calendário de pagamento de benefícios em 2022

Prova de vida: INSS estende prazo para segurados

Quanto você vai pagar

Com a reforma da Previdência de 2019, as alíquotas de contribuição passaram a ser progressivas, ou seja, cobradas apenas sobre a parcela do salário que se enquadrar em cada faixa. Assim, se o trabalhador ganha mais de um salário mínimo, ele paga 7,5% de alíquota de contribuição sobre R$ 1.212 e outros percentuais no que exceder esse valor, de acordo com a tabela abaixo:

Por exemplo: um trabalhador que ganha R$ 1.500 pagará 7,5% sobre R$ 1.212 (R$ 90,90), mais 9% sobre os R$ 288 que excedem esse valor (R$ 25,90), totalizando R$ 116,82 de contribuição.

Já quem ganha R$ 4.500 terá a seguinte contribuição, seguindo as faixas de valores da tabela acima:

Paga 7,5% sobre R$ 1.212: R$ 90,90 de contribuição

Mais 9% sobre R$ 1.215,35, que é a diferença de R$ 2.427,35 de R$ 1.212: R$ 109,38

Mais 12% sobre R$ 1.213,68, que é a diferença de R$ 3.641,03 de R$ 2.427,35: R$ 145,64

Mais 14% sobre R$ 858,97, que é a diferença de R$ 4.500,00 de R$ 3.641,03: R$ 120,26

Total de contribuição: R$ 466,18

Simulações de contribuições


A pedido do g1, Emerson Lemes, diretor do Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário (IBDP), calculou como fica a contribuição para pessoas com diversos salários. Quem ganha até 1 salário mínimo pagará R$ 1,68 a menos por mês em relação ao ano passado.

Já todos que recebem acima de R$ 7.087,22 pagarão a contribuição máxima de R$ 828,39 - R$ 76,40 a mais em relação ao ano passado (R$ 751,99). Isso ocorre porque a contribuição é limitada ao teto da Previdência Social.

Mãe de Bolsonaro morre aos 94 anos; anúncio foi feito pelo presidente


Olinda Bolsonaro, mãe do presidente Jair Bolsonaro, morreu na madrugada desta sexta-feira (21), aos 94 anos. O anúncio foi feito pelo presidente em suas redes sociais. A causa da morte ainda não foi informada.

"Com pesar o passamento da minha querida mãe. Que Deus a acolha em sua infinita bondade", escreveu ele no Twitter. Olinda Bolsonaro estava internada no Hospital São João, em Registro, no interior de São Paulo, desde a última segunda-feira (17).

Ela morava em Eldorado (SP), que fica a aproximadamente 52 quilômetros de distância de Registro e não conta com hospital de referência.

Na mesma publicação em que anunciou a morte da mãe, Bolsonaro também afirmou que se prepara para voltar ao Brasil. Bolsonaro viajou na manhã desta quinta-feira (20) para Paramaribo, no Suriname, e chegou à cidade por volta de 12h, no horário de Brasília. Essa era a primeira parada de uma viagem que duraria dois dias e também incluiria a Guiana.

UMA CAMPANHA DA PREFEITURA MUNICIPAL DO ASSÚ/RN


Postado em 21 de janeiro de 2022.

FAZER O BEM É UMA QUESTÃO DE TEMPO


Postado em 21 de janeiro de 2022.

Venda do Polo Potiguar será fechada este mês


A Petrobras deve finalizar as tratativas para vender o Polo Potiguar ainda em janeiro. A petroleira deve firmar o negócio com a empresa 3R Petroleum, que apresentou a melhor proposta de compra em agosto do ano passado, cujo valor final será de US$ 1 bilhão. 

Em comunicado, a Petrobras informou que a transação de venda ainda deve passar pela apreciação de órgãos seus corporativos ainda em janeiro. O negócio aguarda a deliberação da diretoria executiva da petroleira e pelo conselho de administração.

Procurada pela reportagem da TRIBUNA DO NORTE, em razão do sigilo contratual imposto pelo negócio, a Petrobras não pode informar o planejamento para a transferência da gestão do Polo Potiguar para a 3R Petroleum. 

Também procurada pela reportagem, a 3R Petroleum também evitou entrar em detalhes sobre o processo de compra. "A 3R Petroleum não comenta negociações em andamento", resumiu a empresa. 

O anúncio da venda do Polo Potiguar foi feito pela Petrobras em agosto de 2020. A empresa decidiu ofertar a totalidade das participações na produção de petróleo, seja em áreas terrestres ou águas marítimas da Bacia Potiguar.

Em 27 de agosto do ano passado, a 3R Petroleum divulgou que a celebração da transação estava sujeita ao sucesso das negociações, além das aprovações corporativas necessárias e da anuência dos órgãos reguladores competentes. 

O Polo Potiguar contempla um conjunto concessões de campos de produção terrestres e de águas rasas, incluindo a  Refinaria Potiguar Clara Camarão (RPCC). A estrutura oferta infraestrutura para processamento, refino, logística, armazenamento, transporte e escoamento de petróleo e gás natural. 

A estrutura compreende três subpolos (Canto do Amaro, Alto do Rodrigues e Ubarana), totalizando 26 concessões de produção, 23 terrestres e 3 marítimas. As concessões do subpolo Ubarana estão localizadas em águas rasas, entre 10 e 22 km da costa do município de Guamaré. As demais concessões dos subpolos Canto do Amaro e Alto do Rodrigues são terrestres.

A Refinaria Potiguar Clara Camarão tem capacidade instalada de 39.600 barris por dia. Há, ainda, três Unidade de Processamento de Gás Natural (UPGN) com capacidade para 1,8 milhão metros cúbicos por dia (m3/dia) de gás natural. Vale lembrar que a Potiguar E&P venceu a chamada pública para fornecimento de gás natural realizada pela Potigás, distribuidora de gás que atende ao Rio Grande do Norte. 

Para o presidente da Redepetro, que congrega empresas que atuam na produção de petróleo e gás no Rio Grande do Norte, comemora a proximdade do acordo da Petrobras.  "O Polo Potiguar tem uma perspectiva enorme de aumento de produção, ou seja,  a nova empresa vai colocar esses poços em movimento. Isso tende a aumentar a produção", aponta. 

Em 2021, segundo dados da Agência Nacional do Petróleo (ANP), a bacia potiguar — que também inclui as vendidas — produziu 460 mil de barris de petróleo. O resultado representa uma redução de 3,3% em relação ao ano de 2020, que registrou 475,9 mil barris.

Pré-sal alcança 1,95 milhão de barris em 2021

A Petrobras registrou recorde anual de produção no pré-sal em 2021, ao alcançar 1,95 milhão de barris de óleo equivalente por dia (boed). Esse volume corresponde a 70% da produção total da companhia, que foi de 2,77 milhões de boed no ano passado. O recorde anterior era de 2020, quando foi alcançada a marca de 1,86 milhão de boed, representando 66% da produção total da Petrobras.

A produção da Petrobras no pré-sal vem crescendo rapidamente, e o recorde registrado em 2021 representa mais do que o dobro do volume que produzimos nesta camada há 5 anos. Com a manutenção do foco de atuação nas suas atividades em ativos em águas profundas e ultraprofundas.

Em agosto de 2020, ao anunciar o desivestimento do Polo Potiguar,  Petrobras informou, em nota, que coloria a produção offshore à venda – em sua maioria, campos maduros em águas rasas, além de alguns blocos exploratórios –, para investir na produção em águas profundas. No período do Plano Estratégico 2022-26, serão investidos US$ 57 bilhões no segmento E&P, sendo 67% desse total no pré-sal, que receberá 12 das 15 novas plataformas previstas para entrar em operação neste período e que deverá ser responsável por 79% da produção total da companhia em 2026.

bate papo

Gutemberg Dias / Presidente da RedePetro

“Só devemos ter um impacto da negocição depois de seis meses”

Com a venda do Polo Potiguar, em quanto tempo veremos o impacto da venda do Polo Potiguar?

A transferência da Petrobras demora. Não é uma coisa de uma hora para outra. Eles vão fechar o negócio nesse mês. Uma coisa é assinar o papel, outra é quando vai começar a operar. A gente já viu que a transição deve demorar no mínimo uns seis meses, de acordo com os outros. Não sei se vai ser diferente nesse. Só vamos conseguir ter uma real noção da negocição seis meses depois de os novos operadores assumirem.

Qual serão os benefícios para a geração de emprego?

Estamos na perspectiva de uma parceria com o Sebrae para fazer um levantamento dentro da cadeia do fornecimento, das empresas que fazem parte da rede; fazer um levantamento para saber o que foi gerado de emprego, a partir desse investimento da Petrobras. O que nós temos? Nós tivemos ao longo desse período uma diminuição drástica. Essas empresas que adquiriram os campos não tiveram a mesma pegada de contratação da Petrobras, por vários motivos, o modelo de negócio é diferente da Petrobras, por exemplo. O que indica a regra de geração de emprego é a produção. Se eu aumento a produção, há uma perspectiva também de agente de empregos. Então o que a gente espera é que com a retomada da produção, a geração de empregos aumente. Hoje, a Redepetro não tem como dizer quantos por cento vai aumentar de emprego. Não temos essa informação. Nós vamos fazer esse levantamento com o Sebrae no próximo semestre. Pela experiência que nós tivemos desses últimos 22 anos, as empresas da rede que estão dentro da cadeia de produção tivemos uma melhoria de contratação. Por exemplo, a empresa que eu aumentamos em torno de 30% a nossa busca  por trabalhadores

Em dois anos, a produção de petróleo por pequenos operadores no Rio Grande do Norte aumentou 300%, segundo o Ministério de Minas e Energia. Podemos esperar continuidade da tendência de crescimento para 2022?

O aumento de 300% se configura, principalmente, na entrada de novos operadores que compraram os ativos da Petrobras e conseguiram ampliar a produção. Um exemplo claro disso é a Potiguar E&P que desde que assumiu o polo Riacho da Forquilha conseguiu ampliar a produção do mesmo em quase 80%. Para nós da RedpetroRN não nos resta dúvida que a tendência será o aumento da produção, obviamente, a bacia Potiguar ano a ano tem um decréscimo de produção em virtude de ser uma bacia madura, mas com as novas intervenções que estão propostas e com o restante do desinvestimento da Petrobras, acreditamos que teremos uma retomada da produção. 

O mercado de gás natural tem oferecido atrativos diferenciados no Rio Grande do Norte. Como esse contexto pode impactar em novos investimentos e empregos para o Estado?

O gás natural tem um papel de grande importância na produção do Rio Grande do Norte. Primeiro, alguns campos que produzem gás e óleo, o gás termina sendo um limitador da extração e caso haja um aumento da demanda do gás no mercado, parte das reservas de óleo serão melhor exploradas e, segundo, com a abertura da UPGN Guamaré para o tratamento do gás dos operadores independentes, abre-se uma grande oportunidade para oferta de gás, com perspectiva de redução do preço da molécula. Recentemente, a Potigás  assinou contrato com a Potiguar E&P onde o preço da molécula ficou aproximadamente 30% abaixo do preço que era anteriormente comercializado. Essa mudança favorece a atração de empresas para os parques industriais do RN, já que esse combustível chegará ao consumidor final com valores reduzidos. Em relação a geração de emprego, a cadeia é bastante extensa e, obviamente, quanto maior for a produção mais demanda teremos de mão-de-obra e contratação de empresas terceirizadas para suprir a demanda de serviços e materiais.

Investidores reclamam da demora e do custo para o licenciamento ambiental de campos maduros no Rio Grande do Norte. Quais medidas poderiam tornar mais eficiente a obtenção de licenças para o onshore?

O licenciamento ambiental é um gargalo nessa indústria. Já tivemos algumas reuniões com o Idema e com a Associação Brasileira dos Produtores Independentes de Petróleo e Gás (ABPIP) para tratar desse ponto. Entendo que é preciso seguir a legislação e que no momento não existe possibilidades políticas para alterar a lei que regula a política ambiental no âmbito do estado, mas acredito que é possível o Idema simplificar os procedimentos, obedecendo a legislação maior, para agilizar o processo de licenciamento. A maioria das áreas que são objeto de novos licenciamentos estão inseridas em áreas anteriormente licenciadas, dessa forma, sendo áreas bastante conhecidas e estudadas pelo próprio órgão ambiental. Outra coisa importante é a padronização dos procedimentos, não se pode ter procedimentos que mudam a todo instante, ou seja, é preciso estabelecer uma regra duradoura e válida de forma igual para todas as empresas que buscam o licenciamento na área petrolífera. Existe um esforço do Ministério de Minas e Energia para se buscar uma harmonização entre os estados que licenciam atividades de petróleo em terra, mas acredito que isso só acontecerá a longo prazo, haja vista que cada estado tem suas peculiaridades e leis próprias que precisam ser revistas.

quinta-feira, 20 de janeiro de 2022

Haroldo Azevedo no Café com Notícias da 89FM


O programa Café com Notícias, da 89FM Assú/RN, entrevistará nesta sexta-feira, dia 21, o empresário e pré-candidato ao governo do estado, Haroldo Azevedo.

Em pauta as discussões sobre seu projeto político para o Rio Grande do Norte, o andamento dos discursões na escolha do candidato apoiado pelo bolsonarismo na disputa pelo Governo, os principais nomes na disputa interna, as possibilidades próprias e quando, na visão do entrevistado, está prevista a decisão.

Acompanhe a entrevista, a partir das 8 horas, através do rádio, no Facebook e demais redes sociais.

Participe através do Facebook, telefone: 3331.1089, WhatsApp 99990.1555, 99628.6666 e 99971.1020

Impostos geram R$ 7,3 bi em 2021


A arrecadação de impostos no Rio Grande do Norte encerrou 2021 com R$ 7,3 bilhões em recursos. O volume representa alta de 18% em comparação com o ano de 2020, que foi encerrado com R$ 6,2 bilhões, segundo dados da Secretaria Estadual de Tributação (SET). O resultado reflete o aumento das operações das atividades econômicas potiguares, que tiveram, ao longo do ano passado, uma média de 1 milhão de notas fiscais emitidas por dia. 

De acordo com a SET, o Rio Grande do Norte fechou o ano de 2021 com sete meses com emissões diárias acima de 1 milhão de notas fiscais. O mês com maior número de notas foi dezembro, com 1,174 milhão de documentos emitidos.

Apesar do bom resultado anual na arrecadação de impostos, o mês de dezembro terminou 5% abaixo do resultado para o mesmo período de 2020. No último ano de 2021, a arrecadação foi de R$ 658 milhões, contra os R$ 690 do ano anterior. 

A principal fonte de arrecação potiguar é o Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços (ICMS). No entanto, em dezembro de 2021, o total recolhido foi 3% menor em relação a novembro, caindo de R$ 671 milhões para R$ 638 milhões de um mês para outro. Porém, no acumulado do ano, o montante ficou em R$ 6,8 bilhões, o que representa alta de 18% ao foi recolhido com o mesmo imposto em 2020, quando o Rio Grande do Norte arrecadou R$ 5,8 bilhões com o tributo.

Na análise dos indicadores das atividades econômicas, o Rio Grande do Norte chegou ao último mês do ano com avanços. Os setores ligados à atividade comercial saíram do patamar médio de vendas por dia da faixa de R$ 304 milhões no início do ano para mais de R$ 412 milhões em dezembro. 

Segundo a SET, os setores contabilizaram um volume de vendas da ordem de R$ 12,3 bilhões no último mês de 2021. Esse montante representa um aumento de 19,3% em relação a dezembro do ano anterior. Foram realizadas mais de 1,1 milhão de operações de vendas por dia.

De acordo com o estudo da SET, o setor que obteve o maior volume de vendas foi o comércio varejista, cujas vendas diárias alcançaram uma média de R$ 112 milhões comercializados por dia em dezembro passado. 

O segmento fechou o mês com um total de 32,9 milhões de vendas. O volume negociado representa um crescimento de 7,2% em comparação com o que foi vendido em dezembro de 2020.

Outro setor que registrou alta no mês foi o do comércio atacadista, que teve o segundo melhor volume de vendas: R$ 69,3 milhões por dia. Isso equivale a um aumento de 7% em comparação ao que foi vendido em dezembro de 2020. 

Já as vendas na indústria recuaram em relação a novembro, no entanto, comparando com décimo segundo mês de 2020, as vendas cresceram 25,2%, totalizando uma média diária de R$ 54,2 milhões.