Featured Video

Páginas

quinta-feira, 25 de maio de 2017

OAB protocola pedido de impeachment contra Michel Temer


Presidente do colegiado, Claudio Lamachia, foi pessoalmente à Câmara
BRASÍLIA — A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) protocolou na tarde desta quinta-feira na Câmara dos Deputados um pedido de impeachment contra o presidente Michel Temer. No pedido, a OAB diz que Temer praticou crime de responsabilidade e feriu o decoro. A base do pedido são as denúncias do dono da JBS, Joesley Batista, que gravou o presidente em diálogo sobre a compra do silêncio do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha e sobre a suposta cooptação, por Joesley, de juízes e promotores. (Leia a íntegra do pedido de impeachment)

Também foi tema dessa conversa, ocorrida tarde da noite no Palácio do Jaburu, a escolha de um indicado do interesse da JBS para o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE), o que acabou não sendo efetivado. A OAB lista como testemunhas para o pedido de impeachment os irmãos Wesley e Joesley Batista e Ricardo Saud, executivo da JBS.

— O pedido da OAB leva em consideração as manifestações do presidente da República em dois momentos, onde, em rede nacional de televisão, ele declara textualmente conhecimento de todos os fatos. Ou seja, o presidente declara que escutou desse empresário, que ele denominou como fanfarrão e delinquente, todos aqueles crimes e nada fez com relação ao que escutou — disse o presidente do colegiado, Claudio Lamachia, que foi pessoalmente protocolar o pedido.

No pedido, a OAB afirma que não importa se o áudio foi editado ou não, conforme alega a defesa de Temer, pois o presidente confirmou em pronunciamentos e entrevista que houve o diálogo.

— O fato dessa gravação ter sofrido ou não edição ela, neste momento, se torna irrelevante diante das declarações do senhor presidente da República nos pronunciamentos e entrevista que deu, onde ele torna incontroversos estes fatos — diz Lamachia.

Em um trecho do documento protocolado na Câmara, a OAB diz que a conduta de Temer foi "incompatível" com o cargo que ele ocupa.

"Nessa ocasião, com livre vontade e consciente da ilicitude de sua conduta, o Chefe do Poder Executivo procedeu de modo incompatível com a dignidade e o decoro de seu cargo ao receber, discutir nomeações, e disponibilizar homem de sua confiança para contato direto com a pessoa do colaborador Joesley Mendonça Batista", diz o texto.

Além de Lamachia, diversos conselheiros foram pessoalmente à Câmara apresentar o pedido. O presidente da OAB diz que a decisão do órgão foi “técnica e apartidária”, tomada numa reunião que durou oito horas e varou a noite do último sábado. Perguntado sobre a possibilidade de renúncia, por parte de Temer, Lamachia disse que esta é uma questão muito pessoal. Ele também apelou ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), aliado de primeira hora de Temer e a quem cabe dar ou não andamento a um pedido de impeachment, que "observe a responsabilidade" do cargo que ocupa.

— Renúncia é um ato pessoal, personalíssimo. Eu imagino que o sr presidente da República pense no bem do Brasil e assim eu espero que ele esteja efetivamente refletindo — disse o advogado.

Fonte: Jornal O Globo

0 comentários:

Postar um comentário