Featured Video

Páginas

quinta-feira, 2 de março de 2017

Marcelo Odebrecht diz que pôs R$ 300 milhões à disposição do PT de 2008 a 2014


O empreiteiro Marcelo Odebretch disse no depoimento ao Tribunal Superior Eleitoral que pôs R$ 300 milhões à disposição do PT entre 2008 e 2014 e que doou metade desse dinheiro à campanha de reeleição de Dilma Rousseff. O empresário não detalhou quanto desse valor era caixa dois.

Marcelo Odebrecht também relatou repasses ao senador Aécio Neves (PSDB-MG), mas não esclareceu se a origem foi caixa um ou caixa dois. Ele também falou sobre um jantar com o então vice-presidente Michel Temer, mas negou ter tratado de valores de campanha.
>> Leia ao final desta reportagem as versões de todos os citados

O depoimento de Marcelo Odebrecht era para esclarecer se houve dinheiro de caixa dois na campanha da chapa Dilma-Temer de 2014.

O ex-presidente da Odebrecht foi ouvido por quatro horas pelo ministro Herman Benjamim, relator da ação proposta pelo PSDB no Tribunal Superior Eleitoral.

As suspeitas são de abuso de poder econômico e político, o que significa que podem ter existido gastos de campanha acima do informado à Justiça Eleitoral, doações por meio de propina vindas de empreiteiras contratadas pela Petrobras e o pagamento indevido a gráficas contratadas pela campanha de Dilma.

As gráficas foram alvo de uma operação da Polícia Federal em dezembro, e um laudo feito por peritos do TSE concluiu que as gráficas não conseguiram provar que realmente fizeram os serviços que foram pagos pela coordenação da campanha.

O depoimento
O depoimento de Marcelo Odebrecht ainda é sigiloso. A TV Globo confirmou com várias fontes os trechos mais importantes do que ele falou ao ministro Herman Benjamin.

Marcelo Odebrecht confirmou no depoimento uma doação de R$ 150 milhões à campanha de Dilma Rousseff em 2014, mas não deu detalhes de quanto desse valor era caixa dois. Pelo menos R$ 50 milhoes, segundo Marcelo, foram uma contrapartida pela aprovação de uma medida provisória do refis, que beneficiou a Odebrecht.

Com informações do G1

0 comentários:

Postar um comentário