Featured Video

Páginas

sexta-feira, 11 de março de 2016

Crise no Hospital da Mulher deixa grávidas esperando no corredor da unidade materno-infantil


“Estamos recebendo mais gestantes do que o hospital comporta”. Esta foi a frase do diretor-geral do Hospital da Mulher, Oscar de Lima, à reportagem do De Fato.com na manhã desta quinta-feira, 10, para definir a situação crítica pelo que passa a unidade hospitalar nos últimos dias em decorrência da paralisação parcial dos serviços na Maternidade Almeida Castro em Mossoró.

Segundo ele, nos últimos dias a demanda no hospital de mulheres grávidas cresceu, em média de 30% a 40%, em uma capacidade que já estava no limite ocasionando assim uma superlotação e a dificuldade dos profissionais realizarem o atendimento adequado as gestantes que procuraram a unidade.

“Em decorrência parcial dos serviços na Almeida Castro estamos recebendo em média de 30% a 40% em cima de uma capacidade que já estava no limite de gestantes a mais do que a nossa média. Isso impactou diretamente no atendimento. Nós não temos como atender todo mundo nessa situação. Estamos com um número bem maior de gestantes que o Hospital da Mulher pode comportar”, frisou Oscar de Lima.

Oscar de Lima disse que o hospital está superlotado com pacientes em macas, na sala de cirurgia. Ele ainda relata que não existe uma UTI Neo Natal e de que também dificuldade na alimentação.

“Essa situação crítica no hospital tende a piorar. A unidade está superlotada. Temos aqui pacientes em macas, na sala de cirurgia. A assistência a grávida corre o risco de piorar se a situação continuar do jeito que está. Os leitos estão todos ocupados. Nós não temos para onde mandar as gestantes.”.

O diretor-geral também esclarece que os servidores estão tendo dificuldades para esterilizar o material, pois o autoclave, equipamento responsável pela esterilização está quebrado há um ano, e o do Tarcísio Maia, às vezes, também está danificado o que compromete o trabalho.


“Estamos tendo dificuldade de esterilizar o material usado aqui no hospital devido o autoclave está quebrado há um ano. O do Tarcísio Maia também geralmente está quebrado o que compromete o nosso trabalho aqui”.

DeFato

0 comentários:

Postar um comentário