Featured Video

Páginas

sábado, 9 de maio de 2015

Chuvas em abril ficam 50% abaixo do esperado no RN


As chuvas de abril no Rio Grande do Norte ficaram muito abaixo do normal, com predominância de seca, frustrando as expectativas dos meteorologistas, que previam uma precipitação mais regular. O acumulado do mês, no entanto, não chegou nem a 50% do esperado. Os agricultores já começam a calcular o percentual de perdas nas safras de milho, feião e sorgo, que pode chegar a até 80%. 

Agravada pelos últimos três anos de estiagem, a situação atinge, além da agricultura, o abastecimento de água. Atualmente, 116 dos 167 municípios do Rio Grande do Norte, o equivalente a 69%, estão em situação de emergência, dependendo de carros-pipa. A média do nível dos reservatórios do Estado baixou de 35% para 24%, em comparação ao mesmo período de 2014. 
Júnior Santos
Armando Ribeiro: barragem está com pouco mais de 30% da sua quantidade de armazenamentoArmando Ribeiro: barragem está com pouco mais de 30% da sua quantidade de armazenamento
“O ano hídrico começou com os reservatórios baixos e vai terminar com os reservatórios mais baixos ainda. O que foi reposto em alguns açudes não serviu nem para dar sustento ao consumo da época, com exceção de um ou outro, como o Pataxó, em Ipanguaçu, que estava seco e teve uma recuperação de 100%, mas são casos excepcionais”, disse Gilmar Bistrot, meteorologista-chefe da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (Emparn).

Na última quinta-feira, 8, ele entregou ao Gabinete Civil do Governo do Estado e também a algumas secretarias, como a de Agricultura e a de Recursos Hídricos, um relatório com a situação pluviométrica do mês de abril, a pior desde o início do ano. Em janeiro e fevereiro a predominância foi de chuva abaixo do normal, enquanto em março a prevalência foi de chuva normal e, em alguns municípios, acima do normal.   

“Ao contrário do que esperávamos, tivemos em abril um comportamento bastante irregular das chuvas, tanto no que diz respeito à distribuição espacial quanto na ocorrência. Em grande parte do Estado choveu menos de 50 mm, muito abaixo do normal.  Tivemos predominância de seca”, informou o meteorologista. 

Em 30 dos principais municípios das mesorregiões Oeste, Agreste e Central, apenas em Angicos a precipitação atingiu o patamar considerado normal, que é de 397,95 mm, enquanto 26 estão classificados como “muito seco” e três como “seco”. Em Pau dos Ferros, no Oeste Potiguar, por exemplo, choveu 284 mm, faltando 370 mm para chegar ao nível de chuva normal, que é 654 mm.     

O mais preocupante é que o período chuvoso no interior do Rio Grande do Norte termina na primeira quinzena de maio, que na análise do meteorologista já está comprometida.





































Tribuna do Norte

0 comentários:

Postar um comentário