Featured Video

Páginas

quinta-feira, 30 de abril de 2015

Assú realiza mais uma campanha “Eu Sou 12 Por 8”


Objetivo da ação é identificar hipertensos, assistir e orientar a população assuense

A Prefeitura do Assú, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, desenvolveu durante essa semana, no período de 27 a 30 de Abril, a campanha "Eu Sou 12 por 8", onde as 17 equipes da Estratégia de Saúde da Família e o Polo de Academia Antônio Carlos Dantas, realizaram  atividades educativas, tais como: aferição de pressão arterial, palestras, teste de glicemia, IMC, consulta médica, de enfermagem e odontológica.

O foco da campanha é incentivar hábitos saudáveis como forma de prevenir a hipertensão. Se, após a aferição de pressão é constatado algum problema, o cidadão é encaminhado para receber a assistência necessária. 

SEACOM - PMA

terça-feira, 28 de abril de 2015

Desemprego sobe para 6,2% em março


A taxa de desemprego medida mensalmente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) subiu de 5,9%, em fevereiro, para 6,2% no mês de março, informou hoje (28) o instituto na Pesquisa Mensal de Emprego. Em março do ano passado, a taxa alcançou 5%.Rodrigo Sena
Taxa de desemprego subiu de 5,9%, em fevereiro, para 6,2%, em março
Taxa de desemprego subiu de 5,9%, em fevereiro, para 6,2%, em março
De acordo com o IBGE, o rendimento real habitual do trabalhador foi R$ 2.134,60, menor que o registrado em fevereiro de 2015 e março do ano passado, meses em que foram registradas, respectivamente, rendas de R$ 2.196,76 e de R$ 2.200,85.

Em termos percentuais, o rendimento real habitual em março caiu 2,8% em relação a fevereiro deste ano e 3% na comparação com março do ano passado.

O desemprego registrado em março de 2015 igualou a taxa de março de 2012, quando também chegou a 6,2%. O percentual é o maior registrado em um mês de março desde 2011, quando a taxa foi 6,5%.

As seis regiões pesquisadas pelo IBGE na Pesquisa Mensal de Emprego são Recife, que teve desemprego de 8,1%, Salvador (12%), Belo Horizonte (4,7%), Rio de Janeiro (4,8%), São Paulo (6%) e Porto Alegre (5,1%).

O contingente de desocupados nas seis regiões aumentou 280 mil pessoas em relação a março do ano passado e se manteve estável na comparação com fevereiro. O nível de ocupação se manteve estável em 52,1% frente a fevereiro deste ano, mas caiu 0,9 ponto percentual em relação a março de 2014.

Agência Brasil/tribuna do Vale

segunda-feira, 27 de abril de 2015

Arrecadação federal no primeiro trimestre atinge o menor valor desde 2011


A contração da economia e as desonerações tributárias fizeram a arrecadação federal ficar praticamente estagnada em março. No mês passado, as receitas da União somaram R$ 94,112 bilhões, alta de apenas 0,48% em relação ao mesmo mês de 2014 descontada a inflação oficial pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Apesar do leve crescimento, a arrecadação federal continua em queda no acumulado do ano. De janeiro a março, o governo arrecadou R$ 309,376 bilhões, valor 2,03% menor que o registrado no primeiro trimestre de 2014 também descontado o IPCA. Para o primeiro trimestre, o resultado, em valores corrigidos pela inflação oficial, é o pior desde 2011.

Segundo a Receita Federal, o principal fator que contribuiu para a queda real da arrecadação nos três primeiros meses do ano foi o fraco desempenho da economia. A queda da produção, do consumo e da lucratividade das empresas fez o Fisco arrecadar menos.

Afetada pela queda de 5,71% na produção industrial, a arrecadação de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) cobrado sobre os produtos nacionais caiu 7,02% no primeiro trimestre considerando o IPCA. A queda de 5,42% nas vendas de bens e serviços fez a arrecadação do Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) cair 4,3% descontada a inflação. Por incidirem sobre o faturamento das empresas, os dois tributos refletem o consumo.

Apesar do crescimento de 7,4% na massa salarial de janeiro a março, a arrecadação da contribuição previdenciária acumula queda real (considerando a inflação) de 2,84% em 2015. A retração ocorre por causa da desoneração da folha de pagamento, que faz a Previdência Social arrecadar R$ 5,6 bilhões a menos nos três primeiros meses do ano em relação ao mesmo período de 2014.

Agência Brasil/Tribuna do Norte

Caixa Econômica reduz teto de financiamento para imóveis usados


A Caixa Econômica Federal vai reduzir a cota de financiamento para imóveis usados (LTV na sigla em inglês) a partir de maio e focar somente em moradias novas, conforme informou o banco ao Broadcast. A medida é mais uma adotada para amenizar a escassez de recursos que enfrenta por conta da redução dos depósitos na poupança, principal fonte de funding para o crédito imobiliário.

Para operações com recursos da poupança (Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo), o limite vai passar de 80% para 50% no Sistema Financeiro de Habitação (SFH) e de 70% para 40% para imóveis no Sistema Financeiro Imobiliário (SFI), pelo Sistema de Amortização Constante (SAC). As alterações começam a valer a partir do dia 4 de maio. As operações de habitação popular, porém, não tiveram alteração, segundo a Caixa.

"A redução do LTV (para imóveis usados) será um grande choque de demanda por imóveis usados já que poucas famílias têm condições de dar entrada de 50% do valor do imóvel", avaliam Guilherme Vilazante e Daniel Gasparete, do Bank of America Merril Lynch (BofA), em relatório ao mercado. Acrescentam ainda que há riscos de medidas mais restritivas para imóveis novos e, consequentemente, aumento dos distratos.

Recentemente, a Caixa já havia reduzido a cota de financiamento para os imóveis em geral, conforme antecipou o Broadcast em 16 de abril, de 90% para 80%. Para os créditos que seguem a tabela Price, a cota máxima de financiamento já havia sido reduzida de 70% para 50% nas operações do SFH - que financia imóveis de até R$ 750 mil em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Distrito Federal. Nos demais Estados, o teto é de R$ 650 mil.

Em entrevista ao Broadcast na última sexta-feira, 24, o vice-presidente de Habitação da Caixa, Teotonio Costa Rezende, explicou que a Caixa vive um problema de funding com a redução dos depósitos na poupança, e, por isso, está focada na habitação social e, em segundo lugar, os financiamentos no âmbito do SFH. Apenas no primeiro trimestre, as retiradas líquidas da caderneta foram a R$ 23,230 bilhões, de acordo com dados do Banco Central.

"É inegável que o País vive um certo clima de pessimismo. No médio prazo, tende a afetar confiança do consumidor. A Selic nos níveis atuais dá duas pancadas no crédito imobiliário: torna menos atrativo o principal funding, que é a poupança, e encarece fontes complementares como a LCI (letra de crédito imobiliário)" avaliou Rezende, durante o 11º Feirão Caixa da Casa Própria, em São Paulo.

No primeiro trimestre, o volume de financiamento imobiliário contratado na Caixa ficou praticamente estacionado, com alta de apenas 0,3%, segundo ele, e o desafio do banco este ano é repetir os R$ 129 bilhões desembolsados em 2014. Já a carteira de crédito deve crescer entre 12% e 15% neste ano, intervalo bem mais tímido que a taxa de expansão de 25,7% vista no ano passado.

No feirão deste ano, o banco não conseguiu repetir o mesmo desempenho da edição anterior. Foram negociados cerca de R$ 3,02 bilhões no primeiro fim de semana do evento, cifra quase 14% menor que os R$ 3,5 bilhões registrados em igual intervalo do feirão de 2014. A presidente da Caixa, Miriam Belchior, disse, questionada pelo Broadcast, que o banco espera, ao menos, repetir o resultado do ano passado. A 10ª edição do Feirão Caixa da Casa Própria totalizou R$ 15,6 bilhões em negócios.

Tribuna do Norte

Prefeitura realiza mutirão de limpeza e cidadania na comunidade de Porto Piató


A prefeitura do Assú realizou na manhã do último sábado (25), um grande mutirão de limpeza e cidadania no Porto Piató. Executado durante todo o dia, pelas secretarias municipais de infraestrutura e saúde, o trabalho contou com apoio e participação da comunidade.

A ação, já realizada em bairros da cidade, cujo objetivo principal é remover materiais que atraiam insetos, répteis, animais peçonhentos e espécies que possam trazer risco a saúde, teve inicio com a utilização de um carro de som, que percorreu toda comunidade 24 horas antes, informando sobre a ação e convidando a população à retirar dos seus quintais: lixo, entulho, destroços de moveis e tudo que fosse inservível e pudesse causar risco a saúde humana, principalmente neste período de chuvoso.
  
Além da Limpeza das vias públicas, poda de arvores e retirada de material, foi realizada a terraplenagem das ruas e reparo de erosões causadas pelas ultimas chuvas, foram também promovidas palestras orientadoras sobre combate e prevenção a Dengue, ao Calazar, a Doença de Chagas e a Febre Chikungunya, trabalho contou com a participação de 15 servidores da saúde, que, além disso, visitaram residências combatendo os insetos causadores dessas doenças.

No sábado, mais de 50 toneladas de material foram retiradas da comunidade, no domingo ainda havia pessoas removendo entulho de seus quintais. A equipe da secretaria de infraestrutura retornará para recolher o material colocado na rua no domingo.

O prefeito Ivan Júnior esteve presente durante o trabalho e conversou com a presidência da associação, sobre novas ações em prol do fortalecimento da comunidade e melhoria da vida de seus habitantes.


SEACOM - PMA

domingo, 26 de abril de 2015

Turismo: Com dólar alto, tendência é aumento do turismo doméstico


Com o dólar caro, há uma tendência de aumento do interesse dos brasileiros por viagens domésticas. A valorização da moeda norte-americana dá também maior competitividade ao turismo para estrangeiros. Entidades do setor de turismo confirmam o cenário positivo, mas argumentam que os custos para operar impedem barateamento dos pacotes, e que não há divulgação suficiente do Brasil no exterior.

No primeiro trimestre deste ano, a cotação do dólar encostou em R$ 3,30. Do fim de março para cá, a moeda devolveu parte da alta, mas permanece cotada perto de R$ 3. O presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis, Enrico Fermi, afirma que a maior procura por destinos nacionais foi registrada em dezembro de 2014 e nos três primeiros meses deste ano.
“Há tendência de migrarem para o turismo interno. Nossa taxa de ocupação cresceu. Na cidade de Natal, tivemos aumento de 14% na ocupação em relação a outros anos”, exemplifica. Ele ressalta que a valorização do dólar torna o Brasil mais atraente para o turista estrangeiro. “O poder de compra dele aumenta. Mas a carga tributária alta impede que o Brasil ofereça preços mais baratos. Hoje, o Caribe tem os melhores preços [para estrangeiros]”, informou.

O vice-presidente da Associação Brasileira das Agências de Viagem de São Paulo (Abav-SP), Edmar Bull, acredita que o dólar mais alto será positivo para o turismo doméstico este ano. Ele destaca que a modalidade será impulsionada, ainda, pelo grande número de feriados curtos. “Isso ajuda muito os destinos domésticos”, frisa.

Na Abav nacional, a expectativa é que as viagens internacionais dos brasileiros fiquem estáveis e as viagens internas cresçam 5% em 2015 em relação a 2014. Na avaliação de Leonel Rossi, vice-presidente de Relações Internacionais da entidade, o crescimento do movimento doméstico não deve ocorrer isoladamente em função do dólar mais caro. Segundo Rossi, tanto o turismo interno quanto o internacional têm muita margem para crescer.

“O dinheiro que temos para promover o Brasil no exterior é pouco. Após a Copa do Mundo devíamos ter aproveitado para fazer um marketing pesado, mas não houve verba para isso. Agora, o dólar mais alto facilitou que o turista estrangeiro venha para cá, mas tem que mostrar o Brasil para o mundo”, comenta.

Dados do Banco Central mostram que, no primeiro trimestre de 2015, os gastos de estrangeiros no Brasil cresceram 2,81%, de US$ 533 milhões para US$ 548 milhões. Para Leonel Rossi, o crescimento é pequeno, ficando aquém do potencial do país como destino turístico.

Agência Brasil/Tribuna do Norte

“Não há crise e, sim, um momento de adequação”


À frente da Federação da Câmara de Dirigentes Lojistas do Rio Grande do Norte há quatro meses, o empresário Afrânio Miranda analisa a retração nas vendas e consumo, mas descarta a situação de crise econômica e alerta para a necessidade das empresas se adequarem. O setor deve registrar queda no faturamento de 5% ao ano. Em entrevista à TRIBUNA DO NORTE, o empresário analisou situações de inadimplência, baixa no consumo e no fluxo de pessoas no comércio, além de defender campanhas de redução de compras eletrônicas para incentivar o recolhimento de impostos e geração de emprego local, como forma de enfrentar o momento de retração da economia. “Por mês, R$ 40 milhões em impostos deixam de ser recolhidos e revertidos em investimentos no estado”, observa. Eis a entrevista.Humberto Sales
Afrânio Miranda, presidente da Federação da Câmara de Dirigentes Lojistas do Rio Grande do Norte (FCDL RN)
Afrânio Miranda, presidente da Federação da Câmara de Dirigentes Lojistas do Rio Grande do Norte (FCDL RN)

Nesta conjuntura de crise econômica, com crescimento de inflação, alta dos juros, quais as perspectiva para o setor de comércio e serviços este ano, na avaliação do senhor?
Eu não acredito que estamos numa crise.

Não?
Não. Eu diria que estamos numa situação em que cada empresa precisa fazer ajustes porque está faturando menos. Crise é quando não podemos resolver. A população não acredita mais no governo, por essa instabilidade  toda, pela falta de segurança jurídica, por não conseguir dar a qualidade que o consumidor espera. Então, o consumidor tende a se resguardar e o comércio varejista e serviços deixa de vender mais. e precisa adequar os custos.

O senhor acredita que a retração é reversível? 
Acredito que pode ser revertida e poderemos voltar a crescer a partir do segundo semestre e retomar a normalidade. 

Com base em que esta retomada?
Na reação que o comércio vem apresentando já nos meses de março e abril. Esperamos que no decorrer do ano, com as atividades de consumo voltando, com escolas, fardamento, material, uma coisa puxa a outra. E não há uma crise com a inflação nos patamares da década de 1980, quando se atingiu 90% ao mês. hoje, a inflação deve chegar a 8% ou 10% ao ano.

E a inflação nesse patamar não afeta o setor e reflete em freio no consumo?

Reflete.

Como medidas de contenção desta inflação, há o aumento das taxas básicas de juros. Qual o impacto disso no consumo?
Com certeza também freia, porque quem vai tomar dinheiro emprestado vai ter mais cautela porque terá juros mais alto. Fora que os bancos passam a ser mais restritivos, rigorosos nessa concessão de crédito. Todos os setores sentem isso. A fábrica deixa de produzir porque o comércio não vende, os serviços também deixam de comprar algum insumo ou incremento para se manter prestando o serviço. Mas acontece que ninguém está habituado a redução no faturamento. Mas não há crise e, sim, um momento de adequação. Voltando a crescer, volta-se a contratar, a normalidade.

O setor do comércio no Rio Grande do Norte registra queda no faturamento em quanto?
Eu acredito que deve ficar na casa de 3% a 5% ao ano, a queda no faturamento do setor. se considerar a inflação, deve ficar em torno de 10 a 12%, com base em dados da CNC e da CNDL.

Quais os setores mais afetados? E os que devem sentir menor impacto?
Todos os setores estão afetados. Acredito que o setor de informática, tecnologia, eletroeletrônicos que podem aguardar, devem sofrer mais com esta cautela do consumidor. Já os que comercializam bens e serviços ditos de primeira necessidade, como os supermercados, vestuário e comércio, sintam um pouco menos esta retração porque não se deixa de consumir.

Dados do SPC Brasil mostram que a recuperação de crédito fecha o primeiro trimestre em queda de 2,30%, puxados pela desaceleração da economia, inflação e alta nas taxas de juros. Como está a inadimplência e o endividamento do setor no Estado?
Não temos ainda como mensurar esta inadimplência em percentual. Mas é certo cresceu e há uma dificuldade de muitas pessoas em quitar as dívidas, algumas porque ficaram desempregadas. Mas acredito que esta é uma situação temporária, que assim que consigam se recolocar no mercado, novos postos de trabalho, estes índices melhorarão. É uma cadeia quando comércio e serviços sentem isso, que são os primeiros, a indústria é afetada, ficar com produto parado, há demissões em massa como já vemos, principalmente no Sul e Sudeste do país. Aqui no Estado, já são mais de 5 mil vagas de emprego fechadas, nos três primeiros meses. E, nesse momento de retração da economia, estes ajustes também passam pelo corte de pessoal.

O fluxo de consumidores no varejo caiu 8% no último mês,  em todo o país, segundo dados da SBVC. Aqui como se comportou, também se percebe um esvaziamento nas lojas e comércio de rua?
Sim, geralmente seguimos esta média. E dependendo da localização, a redução varia de 10% a 15%. Se não há dinheiro sobrando na praça e nem expectativa, há uma cautela na hora de gastar pela instabilidade do Brasil. Há uma instabilidade grande para os empresários com mudanças na legislação, seja com esta questão da legislação  dos atestado, em que agora o empresário terá que, para tapar o rombo da previdência, arcar com em vez de 15 dias de licenças com o custo de até 30 dias desta licença. A gente já recolhe o INSS, o colaborador também. Ou ainda, com a mudança na lei da desoneração da folha, que para alguns setores pode representar um aumento de até 150% em que era cobrado.
 
Qual o impacto da mudança na lei da desoneração para o setor do comércio?
Para algumas atividades do comércio não teve impacto negativo. Mas para a indústria foi um tiro mortal. Mas imagine para quem tinha um planejamento anual dos custos e, de uma hora para outra, em vez de pagar 2% do seu faturamento vai pagar 4,5%. Outro fator que prejudica o comércio são os feriados que, segundo dados da CNC, só este ano deverão trazer prejuízos na ordem de R$ 5 bilhões em todo o país.

Quais as projeções para as vendas do dia das mães?
A pesquisa com todos os números e projeções será divulgada nesta terça-feira. O que podemos antecipar é que esperamos ter um desempenho semelhante ao de 2014, o que já será positivo. O valor do ticket médio de compra também não deverá sofrer redução, já que é um momento em que os filhos investem no presente, mas teremos menos pessoas comprando este ano.

Para reverter esta retração do consumo, quais as estratégias defendidas pela FCDL? 
Uma das bandeiras da FCDL é enfrentar a concorrência do comércio eletrônica. Estamos com uma campanha educativa que pretendemos levar para o Governo do Estado, que é de incentivar a redução das compras por internet, apesar de as vezes o preço ser mais vantajoso em alguns casos. Quando se compra fora, é emprego que deixa de ser gerado aqui e os impostos não vem para  cá, mas ficam para o estado de origem do produto. O Estado perde cerca de R$ 40 milhões mensais em impostos por compras efetuadas fora do Estado. Se todo este recurso tivesse ficado aqui teria mais dinheiro para investimentos em diversas áreas. A legislação de tributação eletrônica  é perversa para nós., já que cada estado atua com um benefício fiscal diferente. Um estudo da Fiern, o programa MaisRN, apontou que temos o menor benefício fiscal do país. Há uma lei que altera os percentuais de recolhimento de compras eletrônicas, de forma escalonada para que até 2019, 100% do imposto seja recolhido no destino. Mas mesmo com a lei, há uma perda na geração de emprego. Paralelo a isso, estamos com uma proposta para incentivar que os pregões sejam presenciais e não eletrônicos, para favorecer as empresas locais.

Estas são as duas principais bandeiras da FCDL?
Sim. E estamos implantando junto com as 29 CDL, nos municípios em que estão localizadas, projeto de câmeras de monitoramento eletrônico e instalação de um mini-Ciosp à exemplo do que já fizemos em Apodi, um investimento de R$ 80 mil, por meio de parceria com empresários, comércio, bancos e prefeitura, em 7 câmeras que j[a refletem em redução da criminalidade.

Tribuna do Norte

Itamaraty identifica 54 brasileiros no Nepal


Até o final da manhã de hoje (26) parentes e amigos de 54 brasileiros que estão no Nepal, país atingido ontem (25) por um terremoto, informaram ao Ministério de Relações Exteriores (Itamaraty) que os localizaram. Eles estão bem e não precisam de atendimento médico. Não há registro de brasileiros entre os mortos.

O número exato de brasileiros nas regiões atingidas é desconhecido. Desde o terremoto, as informações sobre os brasileiros no local chegam ao governo por meio dos contatos de parentes e amigos e pelas redes sociais. A embaixada brasileira busca informações em hotéis e agências de turismo.

As comunicações e o deslocamento no Nepal estão em condições precárias. Estradas foram danificadas e falta eletricidade. De acordo com fontes locais os mortos são cerca 2,2 mil, sendo a maior parte deles no Nepal. Além disso, há milhares de feridos, desaparecidos e desabrigados. O terremoto atingiu ainda parte dos países vizinhos Índia e China.

* Com informações da Agência Lusa/Tribuna do Norte

Leilão terá usinas eólicas e termelétricas à biomassa


A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) realizará amanhã, a partir das 10h, o Leilão de Fontes Alternativas (LFA) nº 02/2015, a partir do qual pretende contratar energia de projetos a biomassa e eólicos. Serão ofertados três produtos, com fornecimento de energia a partir de janeiro de 2016 e julho de 2017, e duração de 20 anos. O primeiro produto será composto por usinas novas e existentes movidas a biomassa. Os outros dois produtos envolvem novas térmicas a biomassa e usinas eólicas. O Rio Grande do Norte é o estado com maior oferta de energia eólica na disputa. junior santos
Parque eólico no RN: O estado teve 56 projetos habilitados, com potência somada de 1.223 MW
Parque eólico no RN: O estado teve 56 projetos habilitados, com potência somada de 1.223 MW

O preço-teto estabelecido pela Aneel para a energia gerada pelas térmicas a biomassa é de R$ 215/MWh, válido para os projetos existentes e novos. No caso da energia eólica, o preço máximo a ser pedido pelos geradores será de R$ 179/MWh.

Estão aptos a participar da licitação 172 projetos eólicos, dos quais 56 estão no Rio Grande do Norte. O estado tem a maior oferta de energia eólica habilitada no leilão - são 1.223 Megawatts (MW). Considerando todos os estados com projetos na disputa, a  capacidade total é de 3.930 MW.

Além de projetos de parques eólicos há 28 termelétricas a biomassa, com capacidade total de 322,8 MW. Dentre as térmicas, 23 usinas (57 MW) estão capacitadas para iniciar fornecimento de energia em 2016 e seis empreendimentos (265,8 MW) em 2017. Um dos projetos térmicos consta na lista com fornecimento possível a partir de 2016 e também de 2017.

Os Estados do Rio Grande do Norte, Bahia e Ceará devem ser os principais destaques do certame. Foram habilitados 56 projetos eólicos no Rio Grande do Norte (1.223 MW), 50 empreendimentos eólicos na Bahia (1.084 MW) e 40 projetos com mesmo perfil no Ceará (998,4 MW). São Paulo  terá 16 térmicas a biomassa habilitadas (182 MW). 

Em capacidade instalada, também chamam atenção a Paraíba, com 8 eólicas e 237,9 MW, e o Rio Grande do Sul, com 9 projetos eólicos e 194,3 MW. Estão aptos a participar do leilão projetos de 13 Estados, sendo que oito Estados terão apenas projetos eólicos - Bahia, Ceará, Paraíba, Pernambuco (6 projetos), Piauí (1), RN, Rio Grande do Sul e Santa Catarina (2). As térmicas estão em Alagoas (1), Goiás (5), Mato Grosso do Sul (2), MG (4) e SP.

“Esse Leilão é o primeiro de uma série de seis leilões de contratação de energia que ocorrerão este ano. Eles irão garantir a segurança de abastecimento do sistema e a diversificação da matriz elétrica brasileira”, destacou em nota o presidente da EPE, Mauricio Tolmasquim.

Os leilões garantem mercado para os projetos e estimulam novos empregos, ao impulsionarem as obras.

Tribuna do Norte


Carnaubais sempre foi pacata e os costumes do nosso povo era mais modesto em seu cotidiano, todavia, o avanço desenfreado das drogas contaminou o mundo, chegando com força na provinciana cidade que vivo desde o meu nascimento, há 64 anos. 

Aqui tenho presenciado fatos bons e desagradáveis, tendo me ausentado no período da escolaridade, indo estudar em outros municípios maiores do nosso estado. Sei que tudo não acontece mais como antigamente, especialmente em relação a tranquilidade de convivência da sociedade.

Graças ao trabalho incansável do 3º Sargento PM Chacon, recentemente promovido, nossa urbe vem assistindo o insistente combate aos que usam ou traficam entorpecentes na cidade. 

Chacon é um referencial na região em disposição no combativo trabalho que faz com um contingente policial bastante limitado, tem feito sucessivas apreensões e prisões, tem sido um calo doloroso no calcanhar dos meliantes. 

A vagabundagem existente na cidade tem diminuído substancialmente em função da presença policial comandada pelo o corajoso Chacon. 

A incidência de pequenos furtos e assaltos tem sido reduzido, a pilantragem sabe que Chacon não cochila em serviço, mesmo assim, os transgressores da ordem pública tem dado muito trabalho ao nosso policiamento.

250 ATLETAS ESTÃO PARTICIPANDO DO ASSU TAEKWONDO OPEN


Abertura
certificado
Disputas
Juramento
Uniformes
A Associação Assuense de Taekwondo deu início na tarde deste sábado, dia 25 de abril ao Assu Taekwondo Open 2015. A competição está acontecendo no Complexo Poliesportivo Deputado Arnóbio Abreu, no bairro Dom Elizeu e conta com representantes de Macau, Guamaré e Natal além de Assú e de uma delegação do estado do Ceará totalizando o número de 250 competidores. O ato de abertura foi prestigiado pelo prefeito Ivan Júnior (Pros) e o presidente da Câmara Municipal, vereador Breno Lopes (Pros) além do secretário de esportes do município Francisco Lavoisier de Souza.
Os atletas Paulo Ricardo e Clécia Albano titulares da Seleção Brasileira na categoria adulto masculino e feminino respectivamente, receberam das mãos do presidente do legislativo e do chefe do executivo os seus uniformes com as cores do Brasil.
O juramento do atleta foi proferido pela taekwondista assuense Bruna Beatriz que pelo segundo ano é titular da Seleção Brasileira na categoria Cadete.
Na ocasião, também várias personalidades foram agraciadas como forma de agradecimento pela contribuição que deram ao longo do tempo para o engrandecimento do Taekwondo no município. Um dos pioneiros o Mestre Alvimar Matias recebeu das mãos do prefeito Ivan Júnior o Certificado de Graduação de faixa preta 6º Dan. O presidente da Federação Potiguar de Taekwondo e coordenador técnico da Seleção Brasileira Rivanaldo Freitas, destacou o índice elevado da modalidade esportiva em Assú colocando o município como uma referência para o Taekwondo no Rio Grande do Norte.
As disputas do primeiro dia de competição foram com os pequenos atletas das categorias, mirim e infantil. As categorias principais incluindo os de faixa preta acontecem no domingo.
Assessoria de Imprensa – AAT/FSA/Blog Registrando

sexta-feira, 24 de abril de 2015

Prefeito, Secretária de Saúde, Presidente da Câmara e Diretor do Hospital regional confirmam presença no programa Discussão Aberta deste sábado na Nova 89 FM.


Neste sábado (25/04), o programa Discussão Aberta da Rádio Nova 89 FM abrirá espaço para discutir a situação que hoje é vivenciada no Hospital Regional Dr. Nelson Inácio dos Santos, na cidade do Assú-RN.

Já confirmaram presença, segundo Luizinho Cavalcante, apresentador e responsável pela produção do programa, o Diretor do Hospital Regional Wallace Stoessel, a Secretária Municipal de Saúde Lucianny Edja Guerra de Massena, o vereador açuense e presidente da Câmara Breno Lopes e, também, o prefeito do município de Assú Ivan Lopes Júnior.

Na pauta a dura realidade do hospital e os caminhos que serão necessários buscar para que possamos ter uma melhoria naquela unidade hospitalar, que atende não só a cidade do Assú, mas a todos os municípios da região do vale. 

 O Programa Discussão Aberta começa às 11: 30h, na Nova 89 FM. Informações e perguntas através do facebook/nova89 e pelo telefone 3331 1089.

O programa pode ser ouvido pela internet através do site www.nova89.com.br

Programação Cine Teatro Sábado 25 e Domingo 26


Sábado, dia 25, às 20 horas: Branca de Neve e o Caçador
Imagem inline 1
Sinopse: Um rei viúvo caiu de amores por Ravenna (Charlize Theron) sem saber de seus terríveis planos de conquista e acaba morrendo, deixando para ela todo o seu reino. Para piorar a situação, a filha dele foi jogada em uma masmorra e lá ficou até se tornar uma bela jovem. Obcecada pela beleza e pela juventude, a Rainha não se cansa de perguntar ao seu oráculo para saber de existe alguém mais bela do que ela, até o dia em que a resposta não a agradou. Felizmente, Branca de Neve (Kristen Stewart) consegue fugir sem que seu coração seja arrancado e Ravenna se torne poderosa para sempre. Mas a malvada não desiste fácil e além da ajuda do irmão, um fiel escudeiro, ela contrata Eric (Chris Hemsworth), um exímio caçador para trazer sua presa de volta. Só que ele acaba descobrindo que a missão era um grande erro e vai ajudar a jovem em sua cruzada contra o reinado da malévola. Para isso, eles contarão também com o importante apoio dos seres da floresta e dos unidos sete anões mineiros.   

Domingo, dia 26, às 16 horas: A era do Gelo 4.
Imagem inline 2 








Sinopse: Sempre em busca de sua cobiçada noz, o esquilo Scrat provoca, sem querer, a separação dos continentes. A situação provoca mudanças no terreno de vários locais, entre eles onde os amigos Manny Diego e Siid estão alojados. Um terremoto faz com que o trio fique preso em um iceberg, enquanto que Ellie e a pequena Amora permanecem no continente. Em alto mar, Manny promete que irá encontrá-las a qualquer custo, mas para tanto precisará enfrentar perigosos piratas e o canto das sereias.      
A entrada para os dois filmes é gratuita, porém, a direção do Cine Teatro recomenda a chegada 30 minutos antes de cada sessão. 

O Cine Tetro Pedro Amorim foi revitalizado em uma parceria da Prefeitura do Assú, Petrobras e Governo do Estado, através da Lei Câmara Cascudo.

SEACOM – PMA

quarta-feira, 22 de abril de 2015

Campeão nacional do Concurso de Cartas é de Rondônia. RN conquista segundo lugar!


O vencedor nacional deste ano do Concurso Internacional de Redação de Cartas, promovido pela União Postal Universal (UPU) e realizado no Brasil pelos Correios, é de Rondônia. Leonardo Silva Brito, de Presidente Médici (cerca de 400 km de Porto Velho), foi o campeão da 44° edição do concurso. O aluno tem 15 anos e estuda na EEEFM Carlos Drumond Andrade, no segundo ano do ensino médio. O tema deste ano foi: "Escreva uma carta para descrever o mundo onde gostaria de crescer". Representando o Rio Grande do Norte, a jovem Beatriz Cunha Freire, de 14 anos, aluna do 9° ano do Centro de Educação Integrada (CEI) – Romualdo Galvão, em Natal, conquistou a segunda colocação!

Mais de duas mil escolas públicas e particulares, em todo o Brasil, participaram do concurso deste ano com cerca de 3700 redações de estudantes de até 15 anos. O vencedor da fase nacional receberá uma televisão, troféu e certificado, em cerimônia realizada em Brasília. A escola receberá uma televisão e troféu, além de receber uma oficina de modalidade esportiva patrocinada pelos Correios.

A redação de Leonardo Silva Brito irá, agora, representar o Brasil na etapa internacional, a ser realizada em Berna, na Suíça. O Brasil já venceu a fase internacional, que acontece desde 1972, em três oportunidades e é o 2º país em número de vitórias, atrás apenas da China, com cinco.


Assessoria de Comunicação dos Correios - ASCOM/RN

Telefones: (84) 3220-2405 / 2472

Vereador de Assu é executado a tiros


O vereador Manoel Botinha, do município de Assu, foi executado a tiros na manhã desta quarta-feira (22), em sua oficina mecânica, na rua João Celso Filho, próximo a um posto de combustíveis. O parlamentar chegou a ser socorrido, mas não resistiu aos ferimentos.
Arquivo PessoalManoel Ferreira Botino, o Manoel Botinha, foi morto a tiros dentro da oficina mecânica da família; funcionário foi baleado na ação
Manoel Ferreira Botino, o Manoel Botinha, foi morto a tiros dentro da oficina mecânica da família; funcionário foi baleado na ação
O crime ocorreu por volta das 8h de hoje. Dois homens armados chegaram ao estabelecimento em uma motocicleta tipo Tornado, de cor vermelha, e efetuaram os disparos contra o vereador e um funcionário foi também foi alvejado no braço. Ambos foram socorridos, mas Manoel Botinha não resistiu aos ferimentos. Não há a confirmação sobre os motivos da execução.

Manoel Ferreira Targino, conhecido como Manoel Botinha, foi eleito vereador em 2012 pelo PP, com 945 votos. Em setembro do ano passado, um irmão do vereador também foi assassinado.

Tribuna do Norte


terça-feira, 21 de abril de 2015

Municípios correm risco de perder R$$ 100 milhões


Os municípios podem perder dinheiro federal de convênios iniciados em 2013 e 2014 e que não têm previsão de início da execução até 30 de junho deste ano.  Os prefeitos e representantes dos potiguares na Câmara Federal já começam a se articular na tentativa de reverter a situação estabelecida no decreto do governo Federal 8.407/2015. Segundo o ex-presidente da Federação dos Municípios do Rio Grande do Norte (Femurn) e prefeito do município de Lajes, Benes Leocádio (PMDB), o valor de em questão gira em torno de R$ 100 milhões para obras distintas de diferentes municípios do Estado. Todas elas iniciadas a partir de emendas individuais da bancada federal.Humberto Sales
Benes Leocádio afirma que os municípios ficam presos a uma via crucis burocrática e não conseguem efetivar a execução dos recursos
Benes Leocádio afirma que os municípios ficam presos a uma via crucis burocrática e não conseguem efetivar a execução dos recursos   

O decreto atinge os convênios com restos a pagar  não processados (despesas empenhadas e não liquidadas) dos anos de 2013 e 2014. Conforme o  chefe do Executivo municipal de Lajes, na maioria dos casos, a falta de agilidade para começar as obras parte do próprio Governo Federal. “É claro que há situações em que é o município que não elabora o projeto a tempo, mas isso é a minoria”, disse.

Ainda segundo ele, as gestões municipais ficam presas em algum ponto da “via crucis” burocrática. O primeiro passo para conseguir esse tipo de recurso, o município precisa de indicação na emenda do Orçamento Geral da União. Depois, a administração  local assina contrato com a Caixa Econômica Federal (CEF). O terceiro passo é apresentar o projeto da obra para que o banco público avalie, recomende alterações, se for o caso, até a aprovação. Com o projeto aprovado, a Caixa, intermediador do convênio, solicita ao Ministério responsável pelo convênio o depósito de 50% do valor total. Só aí, a empresa vencedora da licitação poderá iniciar os trabalhos.

Para o deputado federal, Felipe Maia (DEM/RN), que se pronunciou em plenário sobre a questão na semana passada,  é na penúltima etapa que muitos municípios emperram. “O governo Federal não está passando os recursos para os ministérios e os ministério não depositam o valores na conta na Caixa Econômica. Assim, os municípios não têm como iniciar a execução”, expôs Maia.

A trava para esse tipo de pagamento se estende a outras etapas da execução do convênio. Segundo Benes Leocádio, mesmo depois do depósito obrigatório e da consequente possibilidade de início da obra, a efetivação do primeiro pagamento à empresa de engenharia é outra novela. “Às vezes é até um ano para receber um pagamento de R$ 10 mil”, disse o prefeito. 

Em outros casos, os projetos aprovados pela CEF ficam emperrados ainda na fase de autorização do ministério. “A gente tem projeto que foi aprovado pela Caixa e está esperando por autorização do governo Federal por 5 a 6 anos. E são projetos pequenos de R$ 200 a R$ 300 mil”, declarou o prefeito de Lajes.

De acordo com o líder municipalista, decretos como o 8.407/2015 eram mais comuns em relação a convênios feitos há dois exercícios financeiros anteriores, mas em função da crise econômica ele acredita que o governo decidiu incluir também os convênios do ano passado. 

“O governo tem suas dificuldades financeiras, mas mais uma vez pune o menor, o município pequeno, que não tem condições que tocar aquela obra com recursos próprios. Acaba gerando uma expectativa e uma frustração também na população”. Na cidade governada por ele, quatro projetos  estão ameaçados. 

Brasília
O coordenador da bancada potiguar, Felipe Maia, buscará negociar um novo prazo para o bloqueio definitivo desse dinheiro na próxima semana. A ideia é conversar com o novo articulador político do governo,  o vice-presidente Michel Temer. “Vamos pedir para que ele prorrogue o prazo da primeira medição que é até dia 30 junho para um prazo razoável. O governo tem que estabelecer esse prazo possível para que os ministérios façam os depósitos na Caixa”, disse. 

A equipe de reportagem entrar em contato com o setor de convênios da superintendência regional da CEF no Rio Grande do Norte e com a assessoria de imprensa para saber quais municípios e obras estavam nessa situação, mas não obtivemos êxito.

Tribuna do Norte

segunda-feira, 20 de abril de 2015

Balança comercial registra déficit na terceira semana de abril


A balança comercial registrou déficit de US$ 240 milhões na terceira semana de abril. As exportações totalizaram US$ 3,745 bilhões e as importações, US$ 3,985 bilhões. Os números foram divulgados hoje (20) pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.

Entre os dias 13 e 19 de abril, as vendas para o exterior apresentaram média diária de US$ 749 milhões, valor 3,8% maior que o apresentado no mês de abril até a segunda semana (US$ 721,9 milhões). Destacam-se as vendas brasileiras de produtos manufaturados (12,8%) – principalmente de aviões, óxidos e hidróxidos de alumínio, óleos combustíveis, autopeças e automóveis - e básicos (0,4%) - por conta da soja em grão, petróleo, café em grão e farelo de soja. As exportações de produtos semimanufaturados caíram 4,8%, em virtude de couros e peles, ferroligas e ouro em forma semimanufaturada, informou o ministério.

As importações, na terceira semana, registraram média diária de US$ 797 milhões, com desempenho positivo de 13,4%, sobre a média verificada nas duas primeiras semanas do mês (US$ 703 milhões). Na comparação, houve aumento das compras de combustíveis e lubrificantes, equipamentos mecânicos, aparelhos eletroeletrônicos, veículos automóveis e partes, e químicos orgânicos e inorgânicos.

No mês, as exportações somam US$ 8,798 bilhões e as importações, US$ 8,906 bilhões, com saldo negativo de US$ 108 milhões. No ano, as exportações totalizam US$ 51,573 bilhões e as importações, US$ 57,238 bilhões, com saldo negativo de US$ 5,665 bilhões.

Agência Brasil/Tribuna do Norte

Plano Safra não será atingido por ajuste fiscal, diz Kátia Abreu


Marcelo Camargo
Kátia Abreu acredita que nova taxa não vai inviabilizar Plano
Kátia Abreu acredita que nova taxa não vai inviabilizar PlanoA ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Kátia Abreu, afirmou que o Plano Safra 2015-2016 não será afetado pelo ajuste fiscal que está sendo executado pelo governo federal. Segundo ela, a presidenta Dilma Rousseff não vai considerar o ajuste nos anúncios que pretende fazer em maio dos recursos que serão disponibilizados para o custeio dos agricultores.

De acordo com a ministra, o percentual dos juros deve seguir a tendência do ano passado, quando as taxas foram similares à da inflação, o que indica que “a taxa real de juros é neutra”. Além disso, segundo ela, o crédito de custeio faz parte de uma necessidade imprescindível aos produtores, que precisam plantar. Quanto aos investimentos, os agricultores podem decidir se vão receber aportes ou não.

“Ajuste fiscal não pode ser sinônimo de imobilismo. O Plano Safra é um dos pontos que a presidenta exclui do ajuste. O aumento de juros é importante, coisa natural, porque se analisarmos, no passado a inflação ficou em 6,5% e as taxas de juros também. Elas variam de acordo com inflação no histórico dos anos. Ele seguirá o mesmo curso, o mesmo rumo e as taxas de juros serão praticamente neutras, como foram no ano passado”, declarou.

Kátia Abreu se reuniu com a presidenta, hoje de manhã, no Palácio do Planalto e falou com a imprensa ao final do encontro. Ainda sobre os juros, ela defendeu tratamento igualitário dos agropecuários em relação aos demais empresários. “Acredito que a taxa de juros entre 8,5 até 9% está muito compatível com o nível de inflação de 8,5%. Independentemente de ajuste fiscal, se temos inflação maior e os juros reais do país aumentaram, não há diferença nenhuma do mundo rural. Nós vivemos no mesmo mundo em que os demais empresários do Brasil vivem”, disse.


A ministra anunciou que o governo lançará no dia 6 de maio o Plano Nacional de Defesa Agropecuária, que pretende modernizar práticas e regulamentar normas sobre o controle sanitário e a venda de medicamentos veterinários no país. Além disso, no dia 30 de abril a presidenta deverá assinar decreto instituindo a região Matopiba (Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia), com o objetivo de aprimorar políticas e dar prioridade a investimentos nesses estados.

“Ela [Dilma] conhece e sabe que é uma das últimas regiões agrícolas do mundo em expansão, sem desmatamento. O decreto vai delimitar essa área e apresentar todos os seus potenciais. Queremos destacar os investimentos não só no Brasil, mas internacionais. Essa região pode ter um olhar especial”, declarou Kátia.

A ministra lembrou que a presidenta Dilma Rousseff deixou bem claro que a defesa agropecuária é prioridade. “O essencial é formatar, decidir as diretrizes, porque os recursos não irão faltar. Isso são palavras da presidenta. Porque tem coisas que precisam ser feitas, que não entram no ajuste. E defesa agropecuária, Plano Safra na área de custeio não entra em termos de ajuste, em termos de redução de recursos”.

Agência Brasil/Tribuna do Norte

Grupo investe R$ 11 milhões em Natal e Mossoró


O Grupo Veneza anunciou esta semana o lançamento das duas primeiras concessionárias exclusivas da marca Jeep no Rio Grande do Norte, a Jeep Atlanta. Com um investimento de R$ 11 milhões, o grupo, que já representa em Natal a Ford, Hyundai, Volvo, Citroën, Peugeot, Troller e Ducati, diz apostar na inovação para conquistar uma fatia do mercado de “SUVs” brasileiro - do inglês Sport Utility Vehicle, que significa “veículo utilitário esportivo”. 

“Os modelos SUV correspondem a 8% das vendas de veículos no Brasil, enquanto nos EUA chega a 25%, é um grande mercado a ser explorado”, afirma João Paulo Melo, diretor do Grupo. Em Natal e Mossoró foram gerados cerca de 100 empregos diretos e indiretos. 

De acordo com a companhia, a Jeep fez o maior investimento de sua história no país, com a construção de fábrica em Goiana/PE, com capacidade de produzir 280 mil unidades por ano. Sua rede de concessionárias triplicou de 45 para 120.

“A Jeep hoje está presente no segmento Premium com carros acima de R$ 100 mil. Com o Renegade, novos consumidores irão migrar para a marca”, diz Melo, se referindo a um dos modelos que é comercializado abaixo desse patamar. O  Grupo atua nos segmentos de automóveis e máquinas de construção e agrícola no Nordeste e em SP.


Tribuna do Norte

Decretos da ex-governadora Rosalba Ciarlini serão investigados


O promotor de Justiça de Defesa do Patrimônio Público, Paulo Batista Lopes Neto, instaurou, através da Portaria  nº 115/2015 Inquérito Civil para apurar atos administrativos da ex-governadora Rosalba Ciarlini em pelo meno um do seu mandato – 2013. O documento, publicado na edição deste sábado do Diário Oficial do Estado, sob a numeração Inquérito Civil nº 109/2015, é consequência da Notícia de Fato nº 091/2015. 

 Serão investigadas “a abertura de créditos adicionais especiais e suplementares, pelo Governo do Estado do Rio Grande do Norte, sem autorização legislativa e acima do limite legal permitido, referente ao exercício de 2013”. O promotor Paulo Batista Lopes Neto fundamentou-se no Artigo 37, da Constituição Federal, para abrir o referenciado inquérito. O artigo  diz que “a administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência”.
Júnior Santos
Rosalba Ciarlini deixa o Governo e o Democratas, e afirma que não decidiu seu futuro político
Rosalba Ciarlini deixa o Governo e o Democratas, e afirma que não decidiu seu futuro político
As diligências inciais do procedimento incluem o encaminhamento de ofício à Secretaria de Estado do Planejamento e das Finanças (Seplan). A pasta deverá encaminhar, à Coordenadoria de Apoio Operacional das Promotorias de Defesa do Patrimônio Público (Caop Patrimônio Público) cópias dos decretos expedidos ao longo do ano de 2013 que autorizaram a abertura de créditos adicionais suplementares e especiais no exercício financeiro do referido ano. 

No documento assinado pelo promotor não há informação relativa ao prazo para envio do pedido pela Seplan ao Ministério Público Estadual.

O que é Notícia de Fato?

É qualquer demanda dirigida aos órgãos da atividade-fim do Ministério Público, submetida à apreciação das procuradorias e promotorias de Justiça, conforme as atribuições das respectivas áreas de atuação, podendo ser formulada presencialmente ou não, entendendo-se como tal a realização de atendimentos, bem como a entrada de notícias, documentos, requerimentos ou representações. 

Tribuna do Norte