Featured Video

Páginas

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Contagem de dinheiro apreendido pela Lava Jato já dura nove horas


Fernando Castro Do G1 PR
Dinheiro e relógios foram apreendidos na sede da Arxo, em Santa Catarina (Foto: Divulgação/PF)

Dinheiro e relógios foram apreendidos na sede da Arxo, em Santa Catarina (Foto: Divulgação/PF)
Nove horas após a apreensão de dinheiro, relógios e documentos na sede da empresa Arxo, em Santa Catarina, a Polícia Federal (PF) seguia contabilizando a quantia apreendida às 18h desta quinta-feira (5). Até o último balanço parcial divulgado pela PF, haviam sido contabilizados quase 500 relógios de luxo e uma quantidade não estimada de dinheiro.

As apreensões fazem parte da nona fase da operação Lava Jato, deflagrada pela manhã em quatro estados para cumprir 62 mandados. Um dos locais onde foram cumpridos mandados foi justamente a sede da Arxo em Piçarras. A empresa, que tinha negócios com a BR Distribuidora, é suspeita de estar envolvida em esquema de pagamento de propina. Foram presos um sócio e um diretor da Arxo.

Segundo a PF, o dinheiro começou a ser contabilizado tão logo chegou à sede da Polícia Federal em Itajaí, por volta das 9h. Já a documentação apreendida na Arxo e em outras empresas foi remetido para a Superintendência da PF em Curitiba.

Ainda conforme o balanço foram cumpridos todos os mandados previstos para as cidades de São Paulo e Salvador (BA). No Rio de Janeiro dois mandados deixaram de ser cumpridos porque os investigados não foram localizados – um de condução coercitiva, e um de prisão preventiva.

Já em Santa Catarina apenas um mandado de prisão temporária que seria cumprido em Balneário Camboriú não foi cumprido. A pessoa está no exterior com previsão de retorno ao Brasil, segundo a PF.

Empresa investigada
Segundo o delegado da PF Igor Romário de Paula, a empresa Arxo constrói tanques de combustíveis e também caminhão-tanques. A assessoria de imprensa da Arxo confirmou que é fornecedora da BR Distribuidora em vários segmentos. O último contrato firmado entre as empresas é de outubro de 2014 para fornecimento de caminhões tanques de abastecimentos (CTA).

Em nota, a Arxo informou que o dinheiro encontrado no cofre seria utilizado para pagamentos da empresa. O procurador jurídico da companhia, Charles Zimmermann, disse no comunicado que todos os valores foram “contabilizados”.

“Havendo indícios de fraude, o que não é o caso da Arxo, que está tudo contabilizado, é apurado o tipo de crime praticado”, destacou Zimmermann na nota.

O procurador jurídico ressaltou que a empresa tem intenção de contribuir com as autoridades e prestar “qualquer esclarecimento necessário”.

0 comentários:

Postar um comentário