Featured Video

Páginas

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Brasil: é preciso descerrar as cortinas para um novo despertar


“As fraudes nos concursos e, muitas vezes, também no Exame da OAB, seriam sintomas de uma sociedade pouco acostumada à igualdade e à meritocracia. A velha malandragem, que marca a formação histórica brasileira (como diz Antônio Candido), continua mais viva que nunca nas subjetividades de muitos candidatos”.

Com essa frese, fragmento de um de seus artigos, o jurista Luiz Flávio Gomes descreveu ano passado parte de nossa realidade, costumeiros vícios que remontam os primórdios de nossa história. São atitudes de uma minoria que envergonha e denigre os princípios de um povo, notadamente o povo brasileiro que, ao longo de sua existência, tem merecido da imprensa internacional certo tom de anarquia e de malícia quando se trata de valores éticos e morais.

Porem, ao que parece, nem tudo está perdido. Diante de um quadro extremamente preocupante, percebem-se novas atitudes que se interpõem às velhas práticas fraudulentas, ainda vistas com frequência, permitindo a sociedade brasileira aspirar novos tempos.

Tais percepções não ficam restritas aos grandes centros, são também vistas em cidades interioranas, de grandes e pequenos Estados.  E em Assú temos bons exemplos, pessoas simples que alcançaram suas metas sem precisarem comprar, subornar, resultados de exames. ENEM, OAB e outros....

Boa parte dos jovens busca, trabalha e constrói respostas para um novo despertar.  

Vejamos o caso do estudante Andrew Jefferson Alves Fernandes, assuense, 22 anos, aluno do curso de Direito, na cidade de Mossoró, que antes de concluir a faculdade já passou na famigerada prova da OAB, realizada esse ano, sem ter que recorrer à práticas repudiáveis


Outro exemplo vem do jovem José Maria Souza de Oliveira, que aos 17 anos, em 2011, morava no Projeto de Assentamento rural de Novo Pingos, no município de Assú, se inscreveu em quatro processos seletivos para entrar em uma universidade pública, por meio do Exame Nacional de Ensino Médio (ENEM). Ele tentou a UERN, Ufersa, UFRN e UNILA - Universidade Federal da Integração Latino-Americana, e conseguiu ser aprovado em todas elas.

0 comentários:

Postar um comentário