Featured Video

Páginas

domingo, 28 de setembro de 2014

IFRN consegue empregar 60% dos alunos


Medicina, Engenharia, Direito, Psicologia. Nenhuma das carreiras tradicionais – e concorridas – se encaixava nos sonhos da estudante Maria Gildênia Ferreira de Moura, 22 anos.  Nascida em Assu, a ambição da sertaneja era maior: decifrar como a energia, gerada em altas voltagens nas hidrelétricas, chegava às casas. Grande parte dessa vontade veio do pai, Genilson de Moura, que a vida toda trabalhou como eletricista. Em 2011, Gildênia veio para a capital com o objetivo de trabalhar na distribuidora de energia elétrica do estado. “Quando eu olhava da casa da minha tia, só pensava em trabalhar do outro lado da rua”, lembra. Encontrou no curso subsequente de Eletrotécnica do Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN) as portas para a Cosern. Hoje, a estudante é funcionária do corpo administrativo da companhia.
Magnus NascimentoAlef Silva de Andrade, 19 anos, já está no último semestre do curso de logística e foi chamado para um estágio na Secretaria de Habitação de São Gonçalo do AmaranteAlef Silva de Andrade, 19 anos, já está no último semestre do curso de logística e foi chamado para um estágio na Secretaria de Habitação de São Gonçalo do Amarante

Maria Gildênia faz parte do corpo de profissionais que dão nova cara à mão de obra potiguar. São técnicos e tecnológos formados pelo IFRN que ocupam hoje as lacunas do mercado de trabalho. De acordo com a Pesquisa de Acompanhamento de Egressos (PAE), realizada pelo instituto em 2013 com 2.523 ex-alunos , apontou que 59% dos formados estão inseridos de alguma forma no mercado de trabalho.  Destes, 36,7% está empregado e continua estudando. A empregabilidade é ainda mais forte nas cidades-pólo, como Mossoró, Parnamirim e Natal.

O instituto – que já foi Escola Técnica Federal do RN (ETFERN) e Centro Federal de Educação Tecnológica (Cefet) – mantém o objetivo de formar profissionais para suprir os setores produtivos do estado.  De acordo com a pró-reitora de extensão do instituto, Régia Lúcia Lopes, essa inserção se inicia com o vínculo de estágio. “Os pesquisados dizem que julgam o estágio como o fator mais importante na sua entrada no mercado de trabalho”, aponta Régia. Em 2013, por exemplo, 394 alunos foram encaminhados para estágio.

Entretanto, essa oferta ainda é escassa a depender do curso. De acordo com Régia, o mercado potiguar acolhe bem os técnicos em áreas como construção civil – apesar dos revezes do setor em 2014 –, recursos naturais e informática, mas deixa a desejar no acolhimento a cursos mais específicos e voltados para novos setores, como gestão ambiental, biocombustíveis e mineração. “Nosso objetivo é ampliar essa oferta de estágio, para que o aluno do curso técnico tenha essa experiência profissionalizante. Para ser formado técnico tem que ter a prática profissional”, acrescentou.

A pesquisa realizada em 2013 também apresentou que 50,6% dos entrevistados continuam atuando em área relacionada à sua formação. Entre os setores de atuação dos formados, os maiores percentuais estão na educação (23,72%), administração pública (13,38%), construção civil (10,14%), indústria extrativa (7,97%) e atividades financeiras (6,42%).

Nem sempre esses alunos chegam por terem afinidade com a área técnica. Em muitos casos, os alunos tentam alcançar o ensino médio federal, e o utilizam como uma porta de acesso ao ensino superior. Mostra disso é que 52,72% dos estudantes que continuaram estudando estão no bacharelado e 9,87% em alguma licenciatura. “Nosso objetivo também é proporcionar a verticalização do conhecimento, oferecendo cursos de aperfeiçoamento e formação profissional”, salienta o pró-reitor de graduação do IFRN, José Everaldo Pereira.

A eletrotécnica Maria Gildênia Ferreira tinha isso em mente quando começou a estagiar na Cosern. Contratada como profissional desde janeiro, ela tratou de ir em busca do financiamento do ensino superior. Um programa da companhia banca parte da graduação de Gildênia em Engenharia Elétrica, em uma universidade particular. “Nunca devemos parar, é importante continuar estudando para crescer na empresa e conseguir novos conhecimentos”, aponta.

Fonte: Tribuna do Norte


0 comentários:

Postar um comentário