Featured Video

Páginas

quarta-feira, 19 de março de 2014

ZPE do Sertão será reduzida


A Zona de Processamento e Exportação (ZPE) do Sertão, localizada no município de Assu, passará por uma redefinição do modelo de implantação. A mudança discutida durante reunião ontem entre o secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico, Silvio Torquato, e o prefeito do município, Ivan Júnior, deverá repercutir principalmente em alterações na área destinada à construção e no modelo de gestão da ZPE. A discussão ocorre após a Prefeitura de Assu ter rescindido o contrato com a empresa administradora da ZPE por descumprimento das obrigações e falta de condições de viabilizar a infraestrutura do projeto.
Magnus NascimentoÁrea prevista para a ZPE de Assu: intenção é reduzir o tamanho de 1.000 para 125 hectares
Área prevista para a ZPE de Assu: intenção é reduzir o tamanho de 1.000 para 125 hectares

Agora, a ideia é reduzir a área, que hoje é de 1.000 hectares, para 125 hectares e adotar o mesmo modelo usado na ZPE de Macaíba com a concessão para iniciativa privada. “A ZPE do Sertão passará a ter praticamente a mesma área da ZPE de Macaíba - que possui 136 hectares - e assim contará com agilidade no licenciamento ambiental e na de construção de infraestrutura e atração de indústrias”, destacou Silvio Torquato.

Assim como aconteceu com o processo da ZPE de Macaíba, o Governo do Estado e a Prefeitura de Assu pretendem contar com o apoio da Federação das Indústrias do RN (Fiern) em todo o processo de mudança e captação de investidor da iniciativa privada. Uma reunião entre Governo, Município e Federação será realizada na próxima semana, em Natal, com o objetivo de iniciar o cronograma de alterações.

Para o prefeito Ivan Júnior, a ZPE do Sertão pode ser um diferencial para economia do RN e a parceria com o Governo do Estado é importante nessa nova fase. “A experiência positiva do Governo com a ZPE de Macaíba será muito importante para essa nova fase da ZPE do Sertão, assim como a diminuição da área e o novo modelo de gestão que trarão benefícios para o empreendimento, além de evitarmos interferências no projeto de irrigação que o Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs) possui no município”.

Com um perfil capaz de atender segmentos da região como fruticultura (processamento das frutas) e mineração, a ZPE do Sertão, segundo a secretaria estadual de Desenvolvimento Econômico, passa a ter com a possível construção de um porto, em Porto do Mangue, e com o novo aeroporto em Mossoró aliados para  escoar os produtos das empresas instaladas na área.

SAIBA MAIS
Enquanto a ZPE de Assu dá os primeiros passos, a ZPE de Macaíba espera ter, até o fim deste ano, pequenas e médias indústrias operando. A empresa paulista Unihope Imobiliária, Administração e Construção Civil LTDA, vencedora da licitação para construção e administração da área, assinou o contrato de concessão no dia 21 de fevereiro com a Administradora da Zona de Processamento e Exportação de Macaíba (Azmac). Na ocasião, a Unihope afirmou que a meta é iniciar as obras “o mais breve possível”. A concessão da ZPE de Macaíba é válida por 20 anos, prorrogáveis por outros 20. O custo da Zona de Processamento de Exportação está orçado em aproximadamente R$ 30 milhões.

Fonte: Tribuna do Norte


0 comentários:

Postar um comentário